Sai daqui, tarefa!

6a00e554b11a2e88330147e0c39259970b-350wi Uma das conseqüências da industrialização, mais notadamente depois de Taylor e Fayol, foi a divisão do trabalho em tarefas e a especialização da mão-de-obra. Nas grandes empresas isso é bem mais marcante que nas pequenas onde, por sua natureza, seus poucos integrantes são obrigados a fazer de tudo.

Mas isso não é o importante. O importante é que as atividades da empresa, o seu sentido de existir, sua finalidade é dividida em tarefas para que nosso cérebro possa lidar com pequenas porções de cada vez e, assim, construir um todo.

Os problemas começam quando as pessoas passam a ver as tarefas como finalidades últimas, per se. Encaram essas pequenas porções de trabalho como sua função, sua razão de estar ali. E dão-se por satisfeitos quando terminada a tarefa, não importando o seu resultado final.

Por exemplo: suponha que você precise agendar uma reunião com o diretor de uma empresa. Assim que chega ao trabalho, você pede ao seu assistente que ligue para o diretor para agendá-la. Na hora do almoço você pergunta se ele cumpriu a tarefa e ele diz que sim. Então você quer saber quando será a reunião. – Ah! a reunião? Não foi agendada. Mas como? – pergunta você – você não ligou para ele? – Ah, eu liguei – responde o assistente – mas ele não estava. Sob a ótica dele, a tarefa foi cumprida: ele ligou para o diretor. Ele se livrou da tarefa.

labirinto5 Muita gente procura o meio mais fácil para se livrar de uma determinada tarefa. Ou porque tem muitas, ou por preguiça mesmo – não vou entrar no mérito da incompetência nem má-fé.

O fato é que diante de algo que pareça um pouco mais difícil de fazer – seja porque demandará coisas que você não se sente bem fazendo, como ligar para cem pessoas para tentar vender-lhes algo, seja porque simplesmente dá trabalho mesmo, como arquivar cento e sessenta relatórios – algumas pessoas procuram o mínimo aceitavelmente realizável (um conceito bastante novo, criado exatamente agora).

Algo como a ligar para as cem pessoas e, em menos de trinta e sete segundos, receber uma negativa e desligar. Ou meramente empilhar os cento e sessenta relatórios num canto do escritório. A conta disso será cobrada, posteriormente, quando a empresa não tiver dinheiro para os próximos meses, porque as vendas não foram feitas. Ou quando um contrato não for fechado, porque uma importante informação estava num relatório que foi perdido.

aumento_do_gsA falta de uma visão mais holística na hora de realizar uma tarefa influi diretamente no seu resultado.

Uma fábrica de parafusos que atendia à indústria automobilística tinha uma altíssima taxa de entrega de peças defeituosas. No instante em que seus funcionários foram levados à montadora e viram o transtorno que uma de suas peças mal-feitas causava, seus índices de qualidade dispararam.

Quem não tem a dimensão da importância que sua pequena tarefa agrega à empresa, dará a esta pequena relevância ou atenção.

Mas esse é um luxo a que as empresas pequenas não podem se permitir. (Na verdade, nem as grandes, mas, como o impacto tende a ser bem menor, isso vai passando.)

Cada pequena tarefa não realizada, trava uma série de outras adiante. E o mais pernicioso de tudo é a pessoa achar que a tarefa foi realizada. É ter um fracasso disfarçado de desculpa. Uma tentativa travestida de realização.

E assim as pessoas continuam a se livrar das tarefas, esquecendo-se que a razão de existir dessas danadinhas não é atazanar-lhes a vida mas, tão-somente, fazer o mundo ir para a frente. Com ou sem a sua empresa.

1 pensamento em “Sai daqui, tarefa!”

  1. Pô, alguém falar que tem uma “tarefa” já é o suficiente para mostrar que não tem a menor visão do todo, não acha?
    Anyway, adorei o texto! Escreves muito direitinho, hein?
    Beijos,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *