Stayin’ Alive – literalmente…

Se algum dia você precisar fazer procedimentos de primeiros socorros em alguém e não tiver a menor ideia do ritmo que deve imprimir durante a massagem cardíaca, lembre-se dos Bee Gees.

6a00e554b11a2e8833010535bb44e4970c-250wi De acordo com um recente estudo conduzido pelo Dr. David Matlock, da University of Illinois College of Medicine, a batida da música “Stayin’ Alive” é perfeita para alcançar o ritmo recomendado pela American Heart Association, que é de 100 bpm – a música tem 103 bpm.

No estudo (sério, o cara fez mesmo um estudo sobre isso!) 15 médicos e estudantes de medicina treinaram técnicas de ressuscitação com bonecos enquanto ouviam a melodia. Cinco semanas depois foram chamados a repetir o procedimento, mas dessa vez sem o acompanhamento dos irmãos Gibbs.

Todos eles conseguiram manter ótimos ritmos pois, segundo confessaram depois, estavam com a canção da cabeça. Outro bom motivo para que essa música seja a escolhida é porque quase todo mundo já ouviu-a, em algum momento da vida. (Infelizmente isso é verdade.) Isso sem falar do infame trocadilho…

6a00e554b11a2e8833010535bb4e7b970c-320wiAgora responda rápido: se você passasse mal na rua, gostaria de ser socorrido por quem, Dr. Gregory House ou Tony Manero? Enquanto você pensa, vai ouvindo a música e treinando:


2 pensamentos em “Stayin’ Alive – literalmente…”

  1. Se fizermos uma análise imparcial, não levando em conta o histórico dos Bee Gees, podemos admitir que a música é boa. Isso mesmo. Três branquelos bregas que nunca tinham lançado nada parecido gravaram a melhor “disco” de todos os tempos. É preciso coragem pra admitir, mas a música é muito boa 🙂 Assim como aquela do Jessé ou aquela do Biafra… Certo Rodolfo? abs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *