Outliers – habilidades sociais

6a00e554b11a2e88330105362dc215970b-300wi Nos dois textos anteriores (primeirosegundo) sobre Outliers: The Story of Success (o novo livro de Malcolm Gladwell, disponível no Brasil pela Editora Sextante com o título “Fora-de-série: outliers, descubra porque algumas pessoas têm sucesso e outras não“), ficou claro que é preciso ter algum talento inicial que diferencie o fora-de-série de seus semelhantes, além de uma enorme dose de trabalho árduo. “Maravilha! Então quer dizer que seu eu for um pouquinho esperto e ralar bastante serei o próximo Warren Buffett ou von Neumann, conforme a natureza da minha ambição?”

Não necessariamente, gafanhoto. Há vários doutores subempregados, gênios desempregados e uma infinidade de pessoas extremamente capazes, mas que não desenvolvem todo o seu potencial.

Nenhuma metodologia existente até hoje conseguiu medir, por exemplo, o QI de Christopher Langan, simplesmente porque ele vai muito além dos atuais padrões. Considerando o QI do Einstein como 150, Langan teria algo em torno de 185 (outras fontes o situarão entre 195 e 210). Como então Einstein é uma das maiores personalidades do século XX e você nunca ouviu falar de Chris Langan? Provavelmente isso tem a ver com o fato de Langan ter trabalhado como pedreiroporteiro a maior parte da sua vida, em vez de escrito a Teoria da Relatividade.

6a00e554b11a2e88330105362dc47a970b-800wi Segundo teorias recentes, um altíssimo QI não é muito diferente de um QI apenas alto, assim como um jogador de basquete altíssimo não será melhor do que Michael Jordan apenas por ter maior estatura. A partir de um nível mínimo*, o que passa a contar são outras habilidades. Mas que habilidades são essas e de onde elas vêm?

Logo após a Primeira Guerra Mundial, o psicólogo americano Lewis Terman iniciou um dos maiores estudos sobre a inteligência humana de que se tem notícia. No início da década de 1920 ele garimpou as escolas da Califórnia avaliando mais de 250.000 crianças, buscando aquelas que se destacavam nos testes de inteligência. As melhores 1.470 (um site da Universidade da Carolina do Norte fala em 1.528) foram selecionadas, formando um exclusivíssimo grupo onde a média de QI era superior a 135 e chegava, em alguns casos, a 200. O grupo foi logo apelidado de Termites.

A partir de então, Terman passou a acompanhar de perto os detalhes das vidas de cada um de seus prodígios, desde suas realizações acadêmicas até relacionamentos e casamentos, passando por doenças, sanidade mental até empregos e promoções. Tudo era registrado em grossos volumes intitulados Estudo Genético dos Gênios.

6a00e554b11a2e88330105362dda8e970b-300wi Pois foi exatamente esse rigor metodológico que permimtiu que Terman percebesse o erro que havia cometido, ao atribuir o sucesso das pessoas exclusivamente aos seus Quocientes de Inteligência. Ao atingir a vida adulta, alguns dos Termites tinham empregos públicos, dois eram juízes de cortes superiores e um era juiz municipal. Poucos eram figuras de renome nacional. Recebiam bons salários, mas não tãããão bons assim. Alguns tinham subempregos. Outros viviam do seguro-desemprego.

Nenhum deles ganhou um prêmio Nobel, mas dois dos que foram excluídos do grupo nos testes preliminares por não terem QIs tão altos ganharam: William Shockley e Luis Alvarez. De maneira melancólica, mas bastante auto-crítica, Termite concluiu que muita inteligência e grandes realizações não andam, necessariamente, de mãos dadas. O que não fechava na equação de Terman? O que faltava para provar a superioridade daquele 0,6% de crianças super-dotadas?

6a00e554b11a2e88330105362dec40970b-800wi A diferença está, para Gladwell, noutras habilidades tão essenciais ao sucesso de uma pessoa quanto seu QI: sua inteligência prática. Para o psicólogo Robert Sternberg, que cunhou o termo, isso nada mais é do que conseguir aproveitar o vastíssimo arsenal teórico que se tem, em atividades diárias mais básicas, sejam elas de trabalho, esporte, lazer ou ócio. Do contrário, você tem um garfo numa terra onde se toma sopa. Como Chris Langan.

O QI avalia, até certo ponto, habilidades inatas (estima-se que a genética seja determinante de 50% dele). Mas perspicácia social (minha terrível tradução para social savvy ) é conhecimento. Trata-se de um conjunto de habilidades que devem ser aprendidas. Devem vir de algum lugar. E esse lugar, onde absorvemos esses tipos de atitudes e competências é o que costumamos chamar de lar. É a nossa herança comportamental – e o que faz toda a diferença ao avaliar as chances de conseguirmos desenvolver todo o nosso potencial.

6a00e554b11a2e88330105362e0187970b-300wi A professora de sociologia da Universidade de Maryland Annette Lareau lançou mais luz ainda sobre a origem dessas habilidades. Interagindo direta e constantemente com várias famílias, Lareau concluiu que crianças com mais perspicácia social vêm de lares com melhores condições sociais. Segundo ela, pais mais ricos tendem a criar seus filhos para serem mais independentes, críticos e (respeitosamente) questionadores. Já as famílias humildes parecem imbuir seus filhos de um espírito mais conformado e submisso.

Isso se encaixa na teoria de Gladwell pois, segundo ele, nascer numa família com boas condições (não necessariamente rica) e ser criado num ambiente intelectual e socialmente estimulante é condição sine qua non para ter uma personalidade mais altiva, assertiva, indomável – características inerentes aos fora-de-série.

Enquanto os pais de Bill Gates mostraram-lhe os recursos para buscar o que queria, Chris Langan cresceu num lar com três irmãos de quatro pais diferentes, sendo que o único que permaneceu em casa era o alcoólatra que espancava a todos (ele tem, hoje, uma compleição física robusta porque praticou halterofilismo quando adolescente, exatamente para poder defender-se) . Eles e seus irmãos ficavam nus dentro de casa enquanto a única roupa de cada um secava no varal.

____________________

* Essa foi uma teoria desenvolvida na década de 1980 por Arthur Jensen em seu livro Bias in Mental Testing.

† O que deve ser comemorado, pois você consegue imaginar o que seria viver num mundo onde prevêm o seu futuro através de um teste de QI quando você é criança? Se não consegue, assista Gattaca!

Sternberg introduziu, também, o conceito da Teoria da Tripla Inteligência, onde nossas atividades mentais seriam produzidas pelo conjunto de uma inteligência Analítica (a mais tradicional e que considera as habilidades de raciocínio abstrato, matemático e lógico), uma Criativa (o pensamento divergente e intuitivo, que nos ajuda a lidar com situações novas), e a já citada Prática (ou contextual, que possibilita nos adaptarmos a novos ambientes e lidar com as nossas emoções e as dos outros).

9 pensamentos em “Outliers – habilidades sociais”

  1. Poisé, as pessoas mais interessantes que conheço, não por acaso, têm pais fenomenais.
    E esse papo todo me fez lembrar uma constatação de um prof de filosofia da época da fac, que contou o caso de uma criança-geninho-fenomenal que quando cresceu deixou de se destacar, passando a ser apenas mais um na multidão. O rapaz não deve ter se submetido à temperatura e pressão ideais, nas circunstâncias ideais. Complexo isso. O livro do Gladwell me chama rsrs

  2. Quando Winston Churchill, ainda jovem, acabou de pronunciar seu discurso de estréia na Câmara dos Comuns, foi perguntar a um velho parlamentar, amigo de seu pai, o que tinha achado do seu primeiro desempenho naquela assembléia de vedetes políticas.
    O velho pôs a mão no ombro de Churchill e disse, em tom paternal: “Meu jovem, você cometeu um grande erro.
    Foi muito brilhante neste seu primeiro discurso na Casa. Isso é imperdoável !
    Devia ter começado um pouco mais na sombra. Devia ter gaguejado um pouco.
    Com a inteligência que demonstrou hoje, deve ter conquistado, no mínimo, uns trinta inimigos. O TALENTO ASSUSTA!”
    Não é demais lembrar a famosa trova de Ruy Barbosa:
    “Há tantos burros mandando em homens de inteligência,que, às vezes, fico pensando que a burrice é uma Ciência”.
    A maior parte das pessoas encasteladas em posições políticas é medíocre e tem um indisfarçável medo da inteligência.
    Temos de admitir que, de um modo geral, os medíocres são mais obstinados na conquista de posições.
    Sabem ocupar os espaços vazios deixados pelos talentosos displicentes que não revelam o apetite do poder.
    Mas, é preciso considerar que esses medíocres ladinos, oportunistas e ambiciosos, têm o hábito de salvaguardar suas posições conquistadas com verdadeiras muralhas de granito por onde talentosos não conseguem passar.
    Em todas as áreas encontramos dessas fortalezas estabelecidas, as panelinhas do arrivismo, inexpugnáveis às legiões dos lúcidos.
    Dentro desse raciocínio, que poderia ser uma extensão do “Elogio da Loucura”, de Erasmo de Roterdan, somos forçados a admitir que uma pessoa precisa fingir de burra se quiser vencer na vida.
    É pecado fazer sombra a alguém até numa conversa social.
    Assim como um grupo de senhoras burguesas bem casadas boicota, automaticamente, a entrada de uma jovem mulher bonita no seu círculo de convivência,por medo de perder seus maridos, também os encastelados medíocres se fecham como ostras, à simples aparição de um talentoso jovem que os possa ameaçar.
    Eles conhecem bem suas limitações, sabem como lhes custa desempenhar tarefas que os mais dotados realizam com uma perna nas costas…
    enfim, na medida em que admiram a facilidade com que os mais lúcidos resolvem problemas, os medíocres os repudiam para se defender.
    É um paradoxo angustiante !
    Infelizmente, temos de viver segundo essas regras absurdas que transformam a inteligência numa espécie de desvantagem perante a vida.
    Como é sábio o velho conselho de Nelson Rodrigues… “Finge-te de idiota, e terás o céu e a terra”.
    O problema é que os inteligentes gostam de brilhar! Que Deus os proteja, então, dos medíocres!…
    nilsonhussar@yahoo

  3. Outliers – as dez mil horas

    Vimos no post anterior que há mais do que talento inato na formação de algum fora-de-série. Muitos de nós imaginamos que o fenômeno nasce pronto e apenas espera sua vez para ocupar o lugar que lhe é de direito. A…

  4. Outliers – Malcolm Gladwell

    Depois de The tipping point e Blink, o inglês de nascimento, canadense de criação e novaiorquino por opção Malcolm Gladwell repete sua receita de sucesso e nos dá outro de seus best-sellers: Outliers: The Story of Success * (Little Brown,…

  5. Outliers – epílogo

    Depois dos três textos (1, 2, e 3) sobre o novo livro do Malcolm Gladwell (Outliers: The Story of Success *), ainda fiquei com a sensação de que faltava um fechamento, uma conclusão. Mais do que isso, os posts foram…

  6. Onde os muito fortes não têm vez

    Recentemente lembrei-me um episódio em que minhas atitudes e comportamento mantiveram-me como figurante num cenário onde eu tinha tudo para ser o protagonista. Quando pleiteava uma vaga de gerente uns três anos atrás, descobri que eu não era uma pessoa…

  7. menor esforço, maior ilusão

    Escrevi por aqui, em algum lugar, que a autoajuda baseia-se na Lei do Menor Esforço. Você jamais encontrará um título que diga que para ter sucesso no trabalho é preciso ser faixa preta em Estatística e Finanças, ou que para emagrecer deve alimentar-se…

  8. Ótima matéria, não conhecia o site ainda, a verdade é que hoje em dia existem poucos sites com conteúdo que preste, vivemos em uma sociedade onde muitas pessoas entram na internet apenas para ver blogs memes, e se acham intelectuais, por não estarem vendo TV ,pra min, esses tipos de pessoas são as mesmas que só assistem Globo, ou que antigamente acessavam apenas Orkut e MSN, que hoje se resume em facebook+sites memes+msn
    Precisamos de mais sites e blogs desse gênero, boa matéria e continue assim
    Desculpa por fugir do assunto do post, mas quis desabafar isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *