Cabral e a Teoria das Janelas Quebradas

6a00e554b11a2e8833011570bfdb81970b-300wi Posando de anfitrião para o ex-prefeito de Nova Iorque Rudolph Giuliani em visita ao Rio de Janeiro, o Governador do Estado Sérgio Cabral Filho preferiu jogar para a platéia e levá-lo a uma favela, em vez de conversar seriamente sobre como o americano foi capaz de reduzir drasticamente a criminalidade na Big Apple. Eu diria que Cabral e os demais cariocas perderam uma chance e tanto.

Meu primeiro contato com a interessante Teoria das Janelas Quebradas (fixing broken windows) foi através do ótimo O Ponto da Virada de Malcolm Gladwell, no qual o autor relata os impressionantes índices de violência da Nova Iorque da década de 1980. Tráfico de drogas, brigas de gangues, homicídios e outros crimes violentos tomavam conta da cidade assim que o sol se punha. Parece familiar?

Em consonância com a ideia central do seu livro, Gladwell sugere que alguns movimentos sociais radicais guardam três características em comum: rápido contágio; grandes efeitos de pequenas causas; e um momento crucial que determina a dramática mudança. No caso específico de Nova Iorque a adoção da política de Tolerância Zero baseou-se na Teoria das Janelas Quebradas para provocar o efeito das três características em conjunto. Senão vejamos:

No seminal artigo Broken Windows: the police and neighborhood safety, publicado em 1982, James Wilson e George Kelling explicam que a indiferença em relação a pequenos delitos pode levar à tolerância a crimes mais graves. A passagem a seguir – em tradução livre deste autor – ilustra bem a ideia:

Imagine um prédio com algumas janelas quebradas. Se elas não forem consertadas, a tendência é que vândalos quebrem outras. Eventualmente, eles podem também invadir o imóvel e, se estiver desocupado, transformá-lo em abrigo ou incendiá-lo. Considere, ainda, uma calçada. Algum lixo se acumula nela. Logo, mais lixo virá. Aos poucos, as pessoas começarão a descarregar todo o seu lixo nessa calçada.

6a00e554b11a2e883301156fcaa561970c-320wi A imagem de uma janela quebrada e não é consertada é a de algo com que ninguém se importa. Então não há mal em quebrar mais uma, só por diversão, certo?

Um experimento de Phil Zimbardo (veja aqui um texto sobre seus trabalhos sobre a origem da maldade humana) comprovou isso abandonando dois carros em boas condições e sem placas em diferentes vizinhanças. O que fora abandonado no Bronx começou a ser depredado em apenas dez minutos, enquanto que o largado em Palo Alto, na Califórnia, permaneceu intocado durante uma semana.

O toque final do experimento veio quando Zimbardo deu uma bela marretada no automóvel intacto, danificando-o visivelmente. A partir de então o carro passou a ser impiedosamente vandalizado pela respeitável vizinhança de Palo Alto, tal como ocorrera no Bronx. A dura lição é que normas sociais são ignoradas assim que algumas barreiras comuns – como respeito à propriedade e senso de civilidade – são reduzidas por sinais que indicam que ninguém se importa.

Pequenas atitudes que esgarçam o tecido social. A partir daí, o carro depredado torna-se o símbolo de uma terra de ninguém. E o crime representa, segundo os autores, o inevitável resultado da desordem pública, pois os bandidos acreditam que suas chances de serem pegos diminuem na medida em que a população já se sente intimidada pelas condições do ambiente.

Os administradores responsáveis pela cidade de Nova Iorque começaram a entender, a partir de então, que para controlar de fato os crimes violentos era preciso coibir os pequenos delitos antes de tudo, de forma a restaurar as noções mais básicas de ordem, autoridade e segurança.

6a00e554b11a2e8833011570bfdf32970b-320wi Kelling foi contratado, então, pelo Departamento de Trânsito de Nova Iorque e começou seu trabalho no metrô da cidade. Trens velhos, estações abandonadas e entregues à marginalidade compunham o terrível cenário a que os usuários eram submetidos. Ele resolveu, então, começar o processo de limpeza por aquilo que mais simbolizava tal degradação: as pichações.

O motivo é sutil: a simples existência de pichações sugere que, em algum momento do dia, aquela região fica entregue aos vândalos para que eles possam sujar as paredes sem ser incomodados. Além da sensação de insegurança provocada pelo abandono do lugar, há o sentimento de impotência e posterior indiferença quanto ao decadente destino das áreas públicas e, por extensão, de seus usuários. A faxina foi de 1984 a 1990.

O próximo passo foi combater os caloteiros, pessoas que simplesmente não pagavam passagem. Para isso ele aumentou o policiamento nas estações, prendendo sumariamente quem burlava a lei. Os presos eram levados algemados para ônibus transformados em delegacias-móveis onde eram fichados. Cada prisão revelava-se, ainda, uma grata surpresa aos policiais, pois eram oportunidades para encontrar criminosos procurados ou foragidos por algum delito anterior. E tudo era feito da forma mais ostensiva e pública possível – o que passava o ameaçador recado de que a ordem havia voltado ao metrô, onde as prisões quintuplicaram no período entre 1990 e 1994.

6a00e554b11a2e8833011570bffa35970b-320wi Ainda em 1994, Giuliani foi eleito prefeito de Nova Iorque (depois de perder o pleito anterior) e decidiu que o programa de combate aos pequenos crimes no metrô seria implementado em toda a cidade, agora com o nome de Tolerância Zero.

Partindo do mesmo princípio – crimes menores abrem caminho para os maiores – e promovendo uma rigorosa limpeza ética na polícia local, Giuliani foi capaz de reduzir a criminalidade em mais da metade do que era antes de assumir, transformando Nova Iorque na cidade grande com o menor índice de violência do país.

Claro que não devemos cair na armadilha de atribuir tal fenômeno a uma única explicação. Outros fatores concomitantes contribuíram, também, para a expressiva redução dessas taxas, como por exemplo a recuperação da economia mundial na década de 1990, empregando parte da população que, de outra forma, teria tomado o caminho do crime. As drásticas políticas de combate ao narcotráfico do governo federal tiveram seu papel, assim como a regulamentação do aborto, vinte anos antes, como defenderam Steven Levitt e Stephen Dubner em Freakonomics: O Lado Oculto e Inesperado de Tudo que nos Afeta.

O fato é que o criminoso – longe de ser alguém que age por suas próprias razões – é alguém altamente sensível ao seu ambiente e influenciado pela sua realidade, como explica Gladwell. Se ele vive num ambiente onde o crime é punido, independentemente da sua magnitude, então passa a considerar outras alternativas.

Mas se o seu contexto sugere que não haverá obstáculo ou castigo por quebrar uma janela, bater uma carteira, roubar um banco, sequestrar ou exigir propina para assinar um contrato público, então a ocasião haverá de formar o ladrão.

Pequenos passos impróprios ensinam o criminoso a andar. Delitos maiores o fazem correr. Mas uma política de Tolerância Zero lembram que é melhor não dar nem o primeiro passo.

Alguns de nós e outros próximos a nós podem sofrer pequenos contratempos, como ser preso dirigindo bêbado (nossa tímida e já frustrada tentativa desta abordagem da lei) ou portando um cigarro de maconha. Uma punição que nos soa grotesca, tão habituados estamos com nossos desvios do dia-a-dia, porém necessária.

Mas em algum ponto deixamos nossa sensibilidade de lado e paramos de nos incomodar com os delitos menores – e até com os maiores – embora eles continuem representando crimes. Protegemos nossas consciências do peso desses atos. E nos aliviamos, assim, da nossa parcela de culpa pelas mortes dos inocentes nos assaltos, acidentes de trânsito, guerra do tráfico e balas perdidas.

__________

Há uma outra Teoria das Janelas Quebradas proposta por Frédéric Bastiat em 1850, onde a vidraça partida teria o efeito de fomentar a economia, na medida em que seu conserto daria dinheiro ao vidraceiro que, por sua vez, aumentaria seu consumo. Essa falácia cai por terra, porém, já que o dinheiro gasto no conserto da janela também seria gasto – ainda que de outra forma – movimentando a economia da mesma forma. Com sua perspicácia, Charles Chaplin ilustrou o tema nessa inesquecível seqüência de “O garoto“.

 

8 pensamentos em “Cabral e a Teoria das Janelas Quebradas”

  1. Assunto mais ma vez tratado com muita boa explicação e sutileza. Eu já sabia mais ou menos dos resultados que a política do Giuliani atingiu no seu governo, foi realmente um grande gestor. E pena foi o governador do Rio ter perdido a chance de explorar mais esse cara!
    E me interessei muito pela leitura do Gladwell, valeu pela dica!
    Abração,

  2. Mto bom!!
    Sabe quem no Brasil usa política parecida? O Metrô de SP! Eles deixam tudo sempre mto limpo porque as pessoas vão jogando lixo no chão próximo à sujeira que já se encontra previamente no local. Custa mto menos ficar limpando sempre do que de tempos em tempos. Não inventei essa teoria, não! Vi uma entrevista faz um tempão com alguém de lá.
    Abrax

  3. Esse texto dá o que pensar. Principalmente no que diz respeito ao típico comportamento de nossos políticos. Dá até pra entender a grande resistência deles em se publicar na íntegra os gastos de todos os poderes. Nós, sociedade organizada, precisamos pressionar para que procedimentos como esse se tornem regra.
    Tenho certeza que a total clareza e transparência com o trato da coisa pública inibiria, e muito, a ânsia com que certos políticos avançam sobre verbas, orçamentos e contratos.

  4. Prezado Rodolfo,
    Excelente artigo.
    Creio que você foi vitima de plágio pois no “O Globo” de hoje (12 de Junho/09) na página de “Opinião” (pág. 7) o colunista Carlos Werneck escreveu um artigo chamado “Uma lição americana” que utiliza praticamente as mesmas palavras que você escreveu, na mesma ordem !
    Ricardo

  5. Perfeito!
    E como aqui estamos sempre em crise economica e o aborto é hipocritamente tratado a tolerancia zero é ainda mais importante.
    MAM

  6. O brasileiro vive um eterno dilema do prisioneiro

    Assim como acontece com diversos outros assuntos, antes de eu resolver estudar Teoria dos Jogos a sério, achava que isso era algo complicado à beça. Os conceitos em si são relativamente simples, mas suas aplicações podem envolver alto grau de…

  7. Roube-me, por favor!

    Todo mundo que tem seu negócio próprio sabe o quanto é difícil gerar lucro. E, exatamente por isso, sente o sangue ferver quando descobre que está sendo roubado. Em algumas situações, no entanto, a prevenção é bem mais cara do que o roubo em si e, assi…

  8. A mais pura verdade sobre a desonestidade – Dan Ariely

    Vem de longe o interesse de Dan Ariely sobre roubos, trapaças e a desonestidade em geral. Do original Previsivelmente Racional (Campus, 2008), passando pelo correto Positivamente Irracional (Campus, 2010), até seu mais recente lançamento, A Mais Pura V…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *