Atirando no que não viu

Uma das grandes curiosidades que tenho no meu dia-a-dia de blogueiro é saber de onde vem a minha audiência. Que estranhos caminhos a leitora teria percorrido até chegar aos meus domínios? Essa pergunta é respondida, de forma até certo ponto confiável, pelo Google Analytics, uma ferramenta que faz o rastreamento do meu acesso e permite-me saber onde as pessoas estavam antes de vir aqui.

A gente se vê no meu blog!
A gente se vê no meu blog!

Grosso modo, 40% do meu tráfego vem de Sites de Referência, como Wikipedia, Orkut ou algum outro site onde escrevo, como o Administradores, o Acerto de Contas ou a Você S/A.

Outros 20% são Tráfego Direto, ou seja, pessoas que digitam minha URL (www.naopossoevitar.com.br) na barra de endereços, adicionaram o blog aos Favoritos ou clicam em alguma ferramenta de Feeds. (Você já reparou que pode assinar minha mailing list e receber as atualizações por email? Fica logo ali à direita, no alto.)

Os 40% restantes vêm do Google, de gente que está procurando algum assunto específico e acaba me achando, através da coincidência entre as palavras-chave buscadas e o conteúdo do blog.

Aí é que o assunto começa a ficar curioso, porque pelas ferramentas de administração do blog (que no meu caso é hospedado no TypePad), posso ver quais as palavras digitadas na derradeira busca que resultou em mais um clique por aqui – ainda que não saiba quem pesquisou. Tem de tudo…

O que mais me chama a atenção é como as pessoas escrevem mal. Vejamos alguns pitorescos exemplos:

Um internauta chegou em A sabedoria da ignorância buscando em “posso de ignorancia” talvez alguma  forma de evitar afogar-se no seu próprio poço. Quem sabe tivesse pedido ajuda àquele que recentemente quis mudar sua nacionalidade pesquisando “como poço ser indiano” – e acabou na minha desaforada análise do filme que ganhou o Oscar 2009.

Haja acordo ortográfico!
Haja acordo ortográfico!

Noutro caso, algum pai ou educador despossuído quis saber “como fazer esperimentos quimicos de baixo custo para crianças” e acabou caindo na série de textos sobre Experimentos em Psicologia. Só espero que não tenha feito nenhum daqueles com seus pupilos (preciso colocar um aviso que não me responsabilizo caso a leitora tente repetí-los em casa…).

E como o sexo é um dos temas mais buscados no Google, o blog acaba atraindo alguns inadvertidos navegantes em busca de assuntos maliciosos, imagens picantes ou textos ardentes, através de inocentes combinações de palavras-chave.

O texto sobre censura no Flickr, desaponta quem procura por fotos de grávidas nuas, por exemplo. Já a crítica de Os Santos Justiceiros esfria os/as fãs da atriz pornô Jeanna Fine – e também os de Ron Jeremy – ao citá-os inocentemente e atrair saidinhos de plantão.

Enquanto isso, a seguinte leitora tinha dúvidas mais práticas sobre a compatibilidade de seu futuro sexual, com o passado aquático da sua religião: “posso ter relaçoes (sic) de varias (sic) posições sendo batizada nas aguas (sic)?”. Sinistro, muito sinistro…

Atrás de segredos mágicos para sua próxima conquista amorosa (ou sexual?), um iletrado don juan digitou “puberdade- o que deixas as adoleçentes exitadas“, aterrissando em Hormônios adolescentes e aflições adultas. Coitado, não deve ter entendido nada…

Outro desavisado aterrissou num dos textos sobre o livro O Iconoclasta, quando procurava um “espesialista em medo” – alguém possivelmente com pouca coragem para buscar um especialista em Português.

(O pior é que esse mesmo texto que você está lendo agora haverá, também, de atrair outra porção de inflamados sapecas…)

Meu blog poliglota
Meu blog poliglota

Outro aspecto curioso é que alguns leitores parecem conversar com o Google, como se estivessem tirando uma dúvida com um amigo ou pedindo ajuda à mãe. Digitam frases como se alguém lesse do outro lado: “como eu acho o melhor caminho para ir de ônibus ao shopping?” ou “por favor me diga como eu peço aumento para o meu chefe.”

Da mesma forma é interessante encontrar gente de outros países, outras línguas, chegando por aqui. Já tive visitas da China, Japão, Indonésia, Madagascar e outros longínquos destinos.

Até coloquei uma ferramenta de tradução no blog – já experimentou clicar nas bandeirinhas do lado direito? – mas ela não funciona para qualquer idioma. Fico imaginando se meus textos tiveram alguma utilidade para alguém que quisesse ir além das figurinhas…

O Google representa, também, o derradeiro atalho para os alunos preguiçosos. Resenhas de livros e explicações rápidas para uma infinidade de temas acadêmicos são outro must nas buscas. Internautas buscam o atalho do dever-de-casa, o resumo do trabalho escolar, a nota fácil de mão beijada. Isso, claro, partindo do princípio que os textos encontrados sejam razoáveis.

Caso a leitora seja professora e depare-se, por acaso, com um texto meu ao corrigir um trabalho escolar, por favor diga-me qual foi a minha nota e dê zero ao pupilo plagiador – ou não, porque ao menos ele consulta fontes confiáveis…

Como essas derrapadas são constantes por aqui, o tema pode voltar numa próxima oportunidade. Se você tiver dado ao menos uma risadinha lendo esse post, deixe um comentário e eu prometo abordá-lo novamente.

UPDATE: o tema já voltou! Leia aqui Atirando o que não viu II.

21 pensamentos em “Atirando no que não viu”

  1. Rodolfo, e quanto às referências “sérias” que mais geraram visitas? Agora fiquei curioso.
    Eu, que acompanho o blog há 6meses, cheguei até aqui por uma resenha do Outliers. Tinha lido o livro e estava em busca de gente na net que tivesse gostado tanto quanto eu.
    Acabei chegando aqui e fui ficando….
    Abs,
    Leonardo

  2. Bem lembrado, Leonardo! Depois de falar sobre quem atira onde não vê, preciso contar o que acontece com quem acerta no que vê. Você, por exemplo, acertou no meu campeão de audiência: o Outliers. Como fui um dos primeiros a escrever sobre esse livro, meu texto virou quase uma referência no assunto – e espero repetir a dose com o What the dog saw, o novo livro do Gladwell que já está a caminho!
    Depois conto mais sobre os acessos “sérios”.
    Um abraço, Rodolfo.

  3. Rodolfo, mais um voto prá sugestão do Leonardo – eu cheguei pelo mesmo caminho e hoje não perco e mando prá um mundo de gente que eu gosto! Tua cobertura dos gurus para Administradores geraram as melhores sínteses que eu li e, eu que sou assistente regular das palestras, gostaria de ter observado.
    Já me deu vontade de conhecer mais do livro novo do Gladwell.Que venha logo!
    Sucesso,
    Zé Carlos.

  4. kkkkkkkk
    realmente!
    só para matar sua curiosidade:
    eu cheguei ao seu site pelo administradores.com
    sou estudante do 2 periodo de ADM na UFPB
    desde então recebo os emails com suas mais novas postagens

    realmente, posso dizer que o blog tem o nome certo,
    não posso evitar… uma boa crítica a assuntos que ninguém mais pensa em falar!

  5. Rodolfo,
    Acertou a mão. É sempre interessante saber como as coisas acontecem, por mais simples que elas possam nos parecer. Entender um pouco como funcionam os acessos aos sites, as medições possíveis e, claro, as histórias engraçadas por trás deste mundo virtual, satisfaz a minha curiosidade.

  6. Muito bom!
    Eu cheguei aqui através do Pop Prop do Rodrigo Leão. Acho que também atrás do Outliers.
    Hoje já fica no Firefox. Quando abro o bichinho o seu blog é o segundo na sequência. O primeio é o UOL.
    YOU R THE ONE!!!
    Abs

  7. Quase igual ao Woody Allen no “tudo que você queria saber sobre sexo e nunca teve coragem de perguntar”. What is your perversion? E eis que o oráculo gentilmente indica o Blog do ilustríssimo Rodolfo Araújo. Genial o trecho do “passado aquático da religião”! Heim???
    Sobre os pupilos, the day will come em que sua presença virtual em sala de aula será detectada. rsrs
    Bjo!

  8. Rodolfo,
    Este é o melhor e mais bem humorado relatório de “métricas de analytics” que já vi.
    E, realmente, o Google é o oráculo moderno. Tem gente com relações bem estranhas com ele, rs.
    Abç,
    Leo Kuba

  9. Rodolfo, parabéns…você é um grande influenciador, hein? Terminei ontem a leitura de Outliers, adorei! Quanto este post, muito legal mesmo, eu não sei como cheguei aqui, mas de imediato foi adicionado ao favoritos. Bendita hora que encontrei seu blog!Adoro!

  10. Impressionante a relação entre os internautas e o Google. kkkkkkkkkkkkk…
    Algumas perguntas devem ser feitas para esse povo. São elas:
    Qual a relação dele com a internet?
    O que ele ( internauta) espera dela (internet)?

  11. Eu vim aqui através do AcertodeContas.
    Mas acho seu blog fantastico, tanto os posts políticos, e os cientificos.
    Inclusive o sobre o Rocky e Apolo me ajudou numa fase complicada.
    Continue assim, Rodolfo!
    Ps. Agora uma coisa, como alguem quer ‘paçar’ a ser indiano? Será que ele queria ser igual aos indianos da novela?

  12. Excelente !
    Risos e mais risos, uma delícia ler seus posts, este foi fantástico! Eu o encontrei através de indicação de amigos.

  13. Não temos como não deixar de rir (apesar do ensino ser uma tragédia) de tantos erros grosseiros de português. Mas o que me chamou mais a aten-
    ção é ter constatado que as pessoas “conversam” com o Google. Confesso, porém, que essa ferramenta surpreende: encontra-se de quase tudo ali.
    Abraços.

  14. Nem me lembro mais de como cheguei por aqui! Mas esteja certo de que gargalhadas e olinhos úmidos me acompanharam na leitura deste post! Para guardar na memória dos bons momentos na net! Keep on doing such good job! Abs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *