O brasileiro vive um eterno dilema do prisioneiro

Assim como acontece com diversos outros assuntos, antes de eu resolver estudar Teoria dos Jogos a sério, achava que isso era algo complicado à beça. Os conceitos em si são relativamente simples, mas suas aplicações podem envolver alto grau de complexidade e importância – fazendo com que a sua compreensão seja um diferencial em algumas tomadas de decisão.

6a00e554b11a2e88330148c6b984c2970c-200wi Depois de passar pelo excelente Thinking Strategically: The Competitive Edge in Business, Politics, and Everyday Life de Avinash Dixit e Barry Nalebuff (dica do meu amigo Pierre), cheguei a The Art of Strategy, dos mesmos autores (na verdade, esse segundo é uma atualização do primeiro – portanto, se for ler, leia o segundo).

Este tijolo de quase 500 páginas apresenta situações bastante corriqueiras na explicação das teorias mais básicas. Mesmo abrangendo conceitos relativamente simples, desde John Nash (retratado por Russel Crowe em Uma Mente Brilhante) o tema já rendeu oito Prêmios Nobel ao estudiosos que exploram suas peculiares ferramentas.

Um dos temas mais recorrentes em Teoria dos Jogos é o famoso Dilema do Prisioneiro. A ideia central de colaboração e conflito foi concebida por Merril Flood e Melvin Dresher no início da década de 1950 e, posteriormente, tomou sua forma mais conhecida através de Albert W. Tucker, resultando no seu enunciado mais difundido:

Dois suspeitos são presos pela polícia pelo mesmo crime, mas as evidências contra ambos são insuficientes para uma condenação. Na tentativa de incriminá-los, oferece-se a ambos o mesmo acordo:

.: Se um dos dois testemunhar contra o outro e este permanecer em silêncio, o alcaguete sai livre enquanto que o suspeito silencioso pega uma pena de dez anos de cadeia.

.: Se ambos falarem, cada um fica cinco anos encarcerado.

.: Se nenhum dos dois abrir a boca, ambos recebem uma pena menor, de seis meses de prisão.

Os dois são mantidos incomunicáveis, sendo que um não saberá a decisão que o outro tomou. Como eles devem se comportar?

Como os prisioneiros devem agir?
Como os prisioneiros devem agir?

Como podemos ver na representação gráfica acima, a melhor opção, pela lógica individual, seria um falar (LIVRE) e o outro ficar quieto (DEZ ANOS). Mas se ambos falarem, os dois ficarão presos por cinco anos.

Assim, a melhor solução conjunta é que nenhum dos dois fale – o que resulta numa pena de seis meses para cada.

Ainda que ficar preso seis meses seja pior do que sair livre, é bem melhor do que ficar cinco anos na cadeia – ou dez.

O grande problema aqui é que para um ficar quieto, ele tem que ter a certeza de que o outro também não falará nada. Do contrário, este arrisca mofar dez anos na prisão. Noutras palavras, a melhor solução conjunta não é a melhor solução individual. Cada um precisa pensar na sua melhor estratégia considerando o que o outro vai fazer – e isso é a base da Teoria dos Jogos.

Trazendo o Dilema do Prisioneiro para a vida real, podemos encontrá-lo em vários momentos da nossa vida. E é exatamente aí que essa teoria encaixa-se ao nosso dia-a-dia, no tema que venho abordando aqui regularmente: nossa tendência em sempre procurar levar vantagem.

Quando alguém suborna um guarda (ou falsifica uma carteira de estudante), por exemplo, está buscando a melhor alternativa para si, isto é, pagar uma propina a alguém para livrar-se de um mal maior: uma multa e alguns pontos na carteira. O resultado disso, porém, é uma piora para os outros cidadãos, na medida em que o motivo do suborno é algum ato que transgride uma regra social que visa o bem comum.

Safado é sempre o outro
Safado é sempre o outro

Uma infração de trânsito é algo que prejudica a todos – seja piorando o tráfego ou colocando a vida alheia em risco. O suborno representa, assim, comprar o direito de (provavelmente) prejudicar terceiros.

Agir dessa forma egoísta significa, portanto, dedurar o prisioneiro na cela ao lado. Alguém que, apesar da situação, talvez não tenha culpa alguma. Buscar uma punição branda escapando da merecida prejudica todos os demais que respeitam as mais básicas normas de convívio.

A própria corrupção é um desvio de conduta que se retroalimenta, instituindo atalhos escusos que se entranham na sociedade. Ainda que ninguém queira passar seis meses na cadeia, cada vez que você faz isso abre um precedente para estar do outro lado na próxima vez e, assim, amargar os seus dez anos de prisão.

Não sei se fui claro o suficiente na explicação, ou na sua transposição para o mundo real, mas parece-me que o brasileiro sempre prefere dedurar o outro, passar a perna no próximo, varrer seus pequenos delitos para baixo do tapete e que se dane o mundo. Não é preciso ter um prêmio Nobel na estante para perceber isso. Ou é…?

8 pensamentos em “O brasileiro vive um eterno dilema do prisioneiro”

  1. Foi claro sim Rodolfo, pelo menos é suficientemente claro para aqueles que entendem o conceito do ‘bem maior’.
    E utilizando o exemplo aqui da Suiça, posso dizer que tudo fica melhor!!!! O motorista do ônibus não tenta atropelar a ciclista a sua frente, você pode atravessar a faixa de pedestres sem olhar (apesar de eu não sugerir que o faças!) …. todo mundo demora uns 5 minutos a mais para chegar em casa, mas todos chegam ….
    Abraços

  2. Como um prisioneiro que não acusa o outro, e não pratica a leviandade, sinto-me frequentemente “dedurado” no Brasil.
    A Pergunta é: por que as coisas estão assim? Creio que a resposta está na forma como fomos colonizados; como os países ricos (que se desenvolveram primeiro) interferiram em nossa cultura original.
    Enquanto nos “deduramos”, nos destruímos. Enfraquecemos e ficamos vulneráveis aos propósitos externos. Existem diversas formas de dominação de povos: A droga, bebida à base de coca, cigarro e outras porcarias viciantes; dinheiro para subornar deputados e alterarem nossas leis; dificultar nossa vida para facilitar a vida deles…
    Para nos tornar consumidores dos produtos deles interferiram (e ainda interferem) na nossa cultura. Puseram-nos na “roda”. Historicamente nos tornaram “bola da vez”.
    A verdadeira questão não é “por que os brasileiros são corruptos?”. A verdadeira questão é “por que os povos desenvolvidos vem aqui nos corromper?”. Criam o ambiente corrupto para dominar através da corrupção; e depois ainda ficam nos denegrindo, bancando os bons e honestos; para se eximirem da culpa e garantirem a prática. Isso fica mais claro na matéria http://andreohabitante.blogspot.com/2009/08/crise-de-identidade-e-interesse.html
    Lançar na mídia matérias como esta só reforça a idéia que, no Brasil, se você não “dedurar” será “dedurado”; e esta poderia ser uma forma de garantir esse comportamento, que não interessa a nós, mas interessa à eles.
    Imagino que você é um grande patriota. Como patriotas, devemos ter muito cuidado para não difundirmos e perpetuarmos o DILEMA DO PRISIONEIRO.
    Grande abraço.

  3. Prezado xará,
    Brevemente: seus textos são excelentes, você tem uma capacidade de síntese fora do comum. Parabéns.
    Pergunta: como arranja tempo para ler tanto? Trabalhando, e namorando não consigo muito tempo pra nada!

  4. Acredito que a melhor prática de uso da Teoria dos Jogos é em negociação de compras.
    Ao separarmos os fornecedores em 4grupos: (A)Produto-Serviço Essencial com Pouca Oferta / (B)Produto-Serviço Essencial com Muita Oferta / (C) Produto-Serviço Não Essencial com Pouca Oferta / (D) Produto-Serviço Não Essencial com Muita Oferta, podemos decidir, utilizando a Teoria dos Jogos, como levaremos a negociação.
    O grupo A deve ser tratado como parceiro, a negociação deve ser aberta para o melhor resultado para os dois (6 meses de prisão para cada)
    O grupo B merece um acompanhamento fechado com negociação moderada – risco alto de ficar calado
    O grupo C merece negociação apertada e pouco espaço para relacionamento – risco baixo de ficar calado
    O grupo D merece negociação dura. Sempre vale a pena o risco de ficar calado
    John Nash ajuda e muito a baixar custos…

  5. A casca de banana de 2016

    Não dá para evitar o tombo? Uma antiga piada conta que um português, ao ver uma casca de banana lá adiante, pensou: “Ai, meu Deus, lá vou eu me ferrar novamente…”. Além de ser um panaca – pois não consegue…

  6. Oi Rodolfo,
    muito legal seu exemplo, poderia colocá-lo para meus alunos, inclusive com a historinha para Teoria dos Jogos? Envia, por favor, a resposta ao meu e-mail?
    Abraços!André.

  7. A culpa é da multa?

    Já levei mais multas de trânsito do que gostaria de admitir. Estacionei em locais proibidos, fui fotografado por radares e até já levei uma insólita notificação por “Dirigir sem atenção”, ao fritar os pneus parando num sinal amarelo. Mas jamais……

  8. Burocracia e Corrupção

    Dia desses peguei um já iniciado debate sobre Burocracia e Corrupção, que trazia em seu enunciado o vídeo reproduzido abaixo: A questão era: “Situações como a dramatizada no vídeo existem para induzir a corrupção, ou é a corrupção que induz……

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *