Dicas de um pai que nunca foi

A maioria das minhas leitoras sabe que não tenho filhos. Talvez até por isso eu tenha algumas opiniões um pouco inconsequentes sobre temas controversos, uma vez que quando você torna-se responsável por algo além do seu umbigo, sua visão de mundo e seus valores deixam de se considerar o próprio centro do universo.

Coisas de pai para filho...
Coisas de pai para filho…

Volta e meia, porém, encontro nos escusos textos que leio algum tipo de ensinamento, daqueles que passamos, orgulhosos, aos nossos prolíficos amigos.

Ainda que eu não possa ter verificado, de fato, a precisão deste ou daquele conselho, alguns parecem-me suficientemente adequados para que eu decida dividí-los.

Adianto, entretanto, que isso não gera, de minha parte, o compromisso de garantir-lhes eficácia ou assegurar-lhes ausência de efeitos colaterais. Mesmo assim, vamos a eles:

ESFORÇO versus APTIDÃO: pais e educadores sempre procuram elogiar as crianças toda vez que uma tarefa é cumprida a contento. A forma como isso é feito, no entanto, pode representar uma enorme diferença na maneira como o pimpolho haverá de reagir frente aos desafios seguintes.

Quando você diz a uma criança que ela finalizou algo corretamente porque ela é inteligente, imediatamente ela associa aquilo a algo inato, natural. Ser ou não inteligente independemente de esforço adicional. O resultado disso é que tanto os que têm quanto os que não têm a tal inteligência sentem-se igualmente desmotivados a se esforçar mais – afinal o que vale, no final das contas, é nascer inteligente. Ou não.

Em 1998 as pesquisadoras Claudia M. Mueller e Carol S. Dweck, da Universidade de Columbia, escreveram o interessantíssimo Praise For Intelligence Can Undermine Children’s Motivation and Performance (PDF), através do qual descobriram que crianças da 5a série, quando elogiadas pela inteligência, concentravam-se mais na performance, ao passo que seus pares aplaudidos pelo esforço buscavam aprender mais.

O esforçado e o talentoso
O esforçado e o talentoso

No estudo em questão, 128 alunos entre dez e doze anos de uma escola (70 meninas e 58 meninos) eram submetidos a uma bateria de dez questões para avaliar suas capacidades de resolver problemas.

Divididos aleatoriamente em três grupos, elas poderiam receber um elogio após terminar a primeira série de testes, a saber:

.: os inteligentes eram elogiados por terem resolvido os desafios por suas habilidades naturais;
.: aos esforçados parabenizava-se-lhes pela aplicação;
.: e o terceiro grupo, coitado, não ouvia qualquer feedback (esse era o grupo-controle).

Na segunda fase do estudo, as crianças recebiam uma relação de questões bem mais difíceis do que a anterior, na qual, invariavelmente, saíam-se bem pior. Todas elas recebiam a triste notícia de que acertaram pouco mais da metade dos problemas (independentemente do escore real). Em seguida, elas próprias avaliavam seus níveis de persistência, o quanto gostaram de resolver os problemas, a qualidade da sua performance e os motivos pelos quais falharam.

Finalmente, elas recebiam uma terceira bateria de exames. Nas entrevistas de encerramento, as pesquisadoras asseguravam às crianças que a segunda sequência de testes era bem difícil para a sua idade, correspondendo a alunos de 7a série e, portanto, mesmo acertar apenas uma delas já poderia ser considerado um grande feito.

Resultados e Análises: o primeiro teste estatístico realizado nos resultados mostrou que o grau de inteligência da criança não influenciava na forma como sua performance era alterada pelo tipo de elogio, ou seja, independentemente de ela ser mais ou menos inteligente o tipo de elogio surtia o mesmo efeito – positivo ou negativo. O segundo teste mostrou que as crianças atribuíam seus resultados de acordo com o elogio recebido, isto é, os inteligentes creditavam sua nota à sua inteligência, enquanto que o esforçado indicava seu esforço como primordial.

Já nos seus objetivos pessoais, as crianças inteligentes disseram preferir tarefas com alguma medida de performance (67%), enquanto que as esforçadas gostavam mais das que lhes proporcionassem algum tipo de aprendizado (92%) – no grupo controle os números foram equivalentes. As crianças inteligentes queriam, assim, algo que lhes reforçasse a imagem de inteligente, enquanto que as esforçadas queriam aprender coisas novas.

Quem quer aprender?
Quem quer aprender?

Tanto assim, que numa variação posterior do estudo as crianças poderiam escolher, após o fim do estudo, se queriam ver como as outras crianças haviam resolvido os problemas ou ver um indicativo de performance geral do grupo.

86% das crianças inteligentes quiseram ver os resultados dos seus colegas, enquanto que 62% dos esforçados preferiram aprender como seus coleguinhas solucionaram os testes.

A parte interessante é que, quando falhavam nos testes mais difíceis, as crianças inteligentes atribuíam a falha à falta de habilidade, enquanto que as esforçadas culpavam o pouco esforço. Crianças elogiadas pela sua inteligência tendem, portanto, a correlacionar fracasso com burrice, fazendo uma perigosa distinção tanto para os outros quanto para si próprias.

Outra consequência desta observação é que as crianças inteligentes mostraram menores níveis de persistência do que as esforçadas, exatamente por julgarem que não adianta insistir em algo para o qual você não está preparado. Ademais, as crianças esforçadas revelaram um grau de satisfação em realizar as tarefas muito maior do que as inteligentes.

No quesito de superação da adversidade (falhar feio na segunda bateria de testes), outro resultado interessante: as crianças inteligentes tiveram resultados inferiores na terceira bateria de testes errando, aproximadamente, uma questão a mais, enquanto que as esforçadas melhoraram suas notas acertando, na média, mais 1,2. Seria esse um indício do teor motivacional embutido no tipo de elogio que se faz. Para responder isso uma segunda variação da pesquisa foi feita.

A leitora mais interessada – e versada no idioma inglês – poderá acompanhar no link do início deste tópico as seis variações de estudos realizadas na pesquisa, observando as interessantíssimas conclusões. Mas duas lições básicas podem ser tiradas dos seus resultados: crianças que vêem méritos no próprio esforço desenvolvem mais interesse em aprender mais; e, as que se consideram inteligentes têm mais medo de falhar e, por isso, evitam ser postas a prova em situações onde podem não se sair tão bem.

Inspiração ou pagamento? (fonte: Flick/tomono♪♪)
Inspiração ou pagamento? (fonte: Flick/tomono♪♪)

O PRÊMIO QUE SAI PELA CULATRA: uma das noções mais difundidas na gestão de pessoas – sejam empregados ou filhos – é a de que recompensas funcionam como extraordinárias peças de motivação. Na maioria das vezes isso realmente é verdade, mas em algumas situações fracassa espetacularmente.

Cinquenta crianças entre três e quatro anos e que tinham algum interesse em desenhar foram reunidas por Mark R. Lepper e David Green, da Universidade de Stanford para um curioso estudo.

Divididas em três grupos, elas ficavam isoladas numa sala durante seis minutos para fazer um desenho qualquer.

Depois de terminar a tarefa elas poderiam: 1) receber uma recompensa por desenhar, sendo que elas sabiam disso; 2) receber a mesma recompensa do grupo anterior, mas de surpresa; ou 3) não receber recompensa alguma.

Por um vidro espelhado os pesquisadores verificavam quanto tempo as crianças efetivamente desenhavam, de acordo com os grupos em que estavam. O surpreendente resultado pode ser visto no gráfico abaixo, à direita, onde se vê quantos minutos em média cada grupo permaneceu desenhando.

O que se percebe a partir do resultado é que a recompensa parece diminuir o interesse inato pelo desenho. Além disso, os especialistas avaliaram os desenhos das crianças do Grupo 1 como menos bonitos do que os outros (a diferença entre os Grupos 2 e 3 não é estatisticamente relevante).

6a00e554b11a2e8833012876951bf7970c-800wiPara os pesquisadores a explicação reside na diferença entre as motivações intrínsecas (quando fazemos algo porque queremos ou gostamos) e extrínsecas (quando algum fator exteno nos motiva). As crianças que participaram do estudo foram escolhidas exatamente porque encontravam no desenho algum tipo de motivação intrínseca.

Entretanto, no momento em que algo foi-lhes oferecido para realizar algo que faziam com prazer, as crianças pareciam ter um excesso de justificativas para desenhar e, paradoxalmente, perdiam o interesse.

Você tem filhos? Que tal lhe parecem os estudos acima? Como você pode contribuir com as outras leitoras que também os tem ou, ainda, a esse autor que ainda não encomendou os seus? Ou então, quer me ajudar com temas para um próximo post sobre esse assunto? Aguardo os comentários…

UPDATE: Não me segurei e acabei escrevendo uma segunda parte deste texto. Veja em Mais dicas de um pai que nunca foi.

18 pensamentos em “Dicas de um pai que nunca foi”

  1. Um ótimo texto, no nível de excelência do blog. Realmente é muito salutar debater sobre esse tipo de pratica tão comum no ambiente escolar e na família.
    Mas, só um adendo, por que o texto está direcionada as leitoras? E os pais?

  2. Oi!
    Primeiro, recomendo muito a paternidade a você, rs!! Ô coisa boa!
    Gostei muito dos estudos, especialmente do primeiro (no qual vi mais de mim, da maneira como fui criada, do que de minha menina). Acho que rótulos na educação infantil são sempre perigosos. Especialmente em famílias maiores, é comum encontrar o/a “inteligente”, “bonito”, ou pior “burro”, “feio”. Vou ler o documento completo em inglês, mas a priori, já recomendo aos papais e mamães o desenho “Mulan” (especialmente aos pais de meninas), que não só subverte o final feliz do “casaram-se”, como apresenta as figuras femininas e masculinas fora dos estereótipos tão comuns aos desenhos tradicionais. E, como no estudo acima, os resultados são alcançados pelo esforço e pela superação. Adoro a Mulan, rs! Bem melhor que aquelas princesas inertes, que ficam à espera do príncipe que vai mudar seu destino, argh!
    Quanto ao segundo estudo… Bem, empiricamente, acho que todo mundo que convive com crianças sabe que a melhor maneira de fazê-las desistir de uma tarefa, ou fazer mal feita, é prometer uma recompensa para depois! Rapidinho o interesse se desvia da tarefa para a recompensa.
    Ahaha, meu comentário tá quase maior que o texto…E olha que ainda teria mais a acrescentar…
    bjo!

  3. Como você pediu ajuda..
    Vamos lá…
    Eu coincido com a conclusão de que recompensa mais motivação interna é too much.
    O que me parece mais relevante mesmo é a motivação interior… É aquele mecanismozinho que faz um eco dentro da gente que estala uma força medonha que eu chamo de “queroisso”.
    Esta “queroisso” é que faz toda a diferença.
    Também considero que somos “permeáveis” às recompensas, caso estas ofertas se coadunem com nossos interesses.
    Se me for oferecido um saldo de bodyjamp gratuito por alguma outra tarefa eu não mexo um músculo…
    Ajudei?

  4. Vim, li e gostei. Salvei o artigo para futuras referências e, inclusive, imprimi também, para compartilhar com a turma offline.
    Já dizia o velho Gandhi: a satisfação está no esforço, e não apenas na realização final.
    Um abraço!
    Leandro

  5. Ju. Eu também era o “inteligente”. Hoje, por causa disso, encontro algumas dificuldades profissionais. Aos poucos vou me tornando o “esforçado”.

  6. Entrei aqui pois li seu texto nos administradores e gostei muito.
    No meu caso sempre tive esses dois contexto pessoas que falavam da minha inteligencia e outras que falavam do meu esforço, mas o que é incrivel é que quando falam do seu esforço que você procurou sempre mais e poderia ter mudado isso ou aquilo você quer sempre buscar melhorar, me lembro do time que eu jogava depois de todos os jogos importante faziamos isso e o time progredia. valeu!

  7. Sim, tenho dois filhos e adorei o texto, me identifiquei muito.
    Muitas vezes meus filhos de 3 e 4 anos executaram tarefas mais para cooperar com o papai e a mamãe do que pra obter recompensa.
    Por outro lado, sempre que lhes prometia uma recompensa a tarefa executada não era o objetivo principal, eles mal se concentravam no que estavam fazendo.
    Sugiro que fale sobre como a forma dos pais lidarem com o dinheiro influência as crianças.
    Umabraço e muitos parabéns pelo blog, virou minha referencia numero 1.

  8. Maravilhoso o texto, ficaria horas lendo, foi de muito aprendizado, pois tenho um filho de 5 anos que está na escola e adora desenhar. Então vou começar a rever como estão sendo colocados meus elogios.

  9. Foi minha primeira leitura, e adorei, pois justamente estava pensando em dar uma recompensa a meu filho por estar numa fase muito boa, em estar aproveitando todo o aprendizado, quanto ao primeiro item, me vi e vi meu filho como esforçado, foi bom pra que eu possa refletir nas minhas atitudes com ele e se fiz uma boa escolha pela instituição.
    bjo

  10. Olá Rosilene, obrigado por seu comentário!
    Você deve sim dar a recompensa ao seu filho, porque pelo que entendi você não prometeu nada, certo? Recompensas inesperadas são muito construtivas para que a criança veja o valor pelo seu esforço sendo reconhecido. O problema está em condicionar a recompensa a determinadas atitudes: “Se você fizer isso, ganha tal coisa”. Assim a criança acostuma com recompensas e o valor do esforço acaba se perdendo. Você transforma um estímulo numa relação comercial.
    Mas também deve tomar cuidado, porque se repetir muito as recompensas inesperadas elas passam a ser esperadas – e aí você vai no caso anterior.
    Além disso, quando a criança percebe que você oferece uma recompensa por uma tarefa – como lavar sua louça, por exemplo – ela imediatamente associa a tarefa a algo ruim, indesejado. Algo que é preciso um estímulo para ser feito.
    Recompensas assim podem transformar uma tarefa prazerosa num “trabalho”, tirando todo o seu encanto (lembre-se do caso das crianças desenhando). Claro que isso é mais fácil dizer do que fazer, mas esse equilíbrio é importante nesta fase, para que a criança perceba o valor da sua motivação própria.
    Um abraço, Rodolfo.

  11. Mais dicas de um pai que nunca foi

    Depois do estrondoso sucesso de Dicas de um pai que nunca foi, o Não posso evitar… apresenta sua ainda mais estrondosa sequência. Para os pais que se perguntam como alguém que não tem filho pode dar dicas sobre como criá-los…

  12. Recompensas: a ciência e o mundo real

    Na recente série sobre as formas de poder falei sobre o Controle sobre as Recompensas como um dos artifícios usados pelos líderes para exercer influência sobre seus liderados. Mas deixei de fora a discussão sobre como as recompensas influenciam, de fat…

  13. Geração narcYso

    Semana passada publiquei no meu blog um texto falando sobre a recente malcriação de Neymar, o craque do Santos. Em Geração neYmar, analiso por que o jogador simboliza tão bem alguns traços da Geração Y: “Vive as delícias de ser um astro, mas recusa-se …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *