Cemitério de lembranças

Santelmo é um pitoresco bairro de Buenos Aires que, todo domingo, abriga uma tradicional feira de antiguidades. Além dos antiquários especializados instalados ao redor da praça central, barraquinhas negociam toda sorte de tralhas, bugigangas e quinquilharias, para todos os gostos e bolsos, em pesos, reais ou dólares.

6a00e554b11a2e8833015391eead20970b-800wi
Um museu de grandes novidades.

De sifões vazios de água gasosa a contestáveis cristais Baccarat; de lápis coloridos imitando galhos a duvidosas Mont Blancs; de bijuterias ordinárias a suspeitíssimos relógios Cartier, tudo lá se compra, vende, troca ou é deixado em consignação.

Quando Niall Ferguson relembra a crise argentina do final da década de 1980, em A Ascensão do Dinheiro, um dos subprodutos citados é a rápida proliferação deste tipo de comércio. Um claro sinal de que glória e riquezas passadas não garantem o futuro – muito menos alimentam o presente.

Cristais, canetas e joias que outrora adornaram mesas, bolsos e punhos orgulhosos, agora amontoam-se em feltros puídos pelo tempo, esperando recuperar o glamour há muito perdido.

Um melancólico cemitério de lembranças que precisaram dar lugar à realidade, infalível algoz de todos os sonhos.

6a00e554b11a2e8833015435c215e0970c-800wiA lição extrapola, porém, o ambiente bolorento dos mercados de pulgas: a joia de hoje valerá não mais que seu peso amanhã. O que hoje adorna, amanhã entulha. O que hoje você financia, amanhã você doa.

Vi muitos anéis. Mas muito mais dedos foram vistos. A vida é assim. Você não leva nada e poucas coisas te acompanham por instantes extras. Escolha-as bem!

5 pensamentos em “Cemitério de lembranças”

  1. Grande Rodolfo.
    Ótimo texto como sempre, meu caro!
    Não só em Santelmo há esse tipo de feira. Há uma também gigante ao se viajar pelo Trem de la Costa, que liga Buenos Aires à província de Tigre, é a chamada Estacion del Anticuario. Lá se encontra todo tipo de buginga ou porcaria que se queira. Creio que já faça parte da “cultura econômica” deles este tipo de feira, não?!
    Abs,
    Eder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *