As ações da sua vida

Certa vez li um experimento muito interessante sobre a forma como pessoas avaliam os fracassos de uma empresa. Nele, os voluntários recebiam a descrição de uma companhia fictícia, que acabara de passar por um ano difícil em suas operações, apresentando resultados abaixo do resto do mercado.

A pesquisa recaía, então, sobre a maneira como cada uma das empresas explicava o que havia acontecido: metade dos participantes recebia a parte do relatório anual de performance justificando o fraco desempenho com fatores ambientais, isto é, recessão da economia, concorrência asiática, queda nas margens e outras criativas formas de tirar o seu da reta.

A outra metade lia outra explicação para o mau ano: problemas internos tais como a adoção de uma estratégia equivocada, uma aquisição mal feita ou o foco num segmento de mercado incompatível.

A tarefa dos participantes do estudo era ir direto ao ponto: determinar um preço para a ação da companhia. Surpreendentemente, a empresa que trazia para si as responsabilidade para seu mau desempenho tinha uma avaliação superior à que terceirizava a culpa.

A explicação dos pesquisadores para o resultado foi inequívoca: a empresa que admite suas falhas demonstra que as identificou e, ainda mais importante, tem algum controle sobre o que realmente influencia sua performance. Melhorar o desempenho passa a ser, assim, uma questão de trabalhar mais e melhor.

Já aquela que justifica as causas do fracasso com circunstâncias do ambiente revela, por sua vez, não estar no controle da situação e, por isso, resultados futuros também serão obra do acaso.

A conclusão já seria importante para entender alguns aspectos do mundo corporativo, mas seu alcance pode ser ainda maior. Ela pode ser valiosa, também, na sua vida pessoal.

6a00e554b11a2e88330168e594b5e2970c-800wiPor que você continua achando que tudo de ruim que lhe acontece é culpa do mundo, da vida, das circunstâncias, do azar? E se a culpa é do mundo – porque algumas coisas realmente são! -, será que você não tem nenhum controle sobre aquilo que lhe acontece?

Confesso que acho uma bosta ter que admitir meus próprios erros. Encarar o fracasso de frente, sorrir para ele e dizer: “Oi, você é obra minha.” Depois da ressaca moral, contudo, você tem a chance de dizer adeus.

É bem diferente de olhar para o fracasso e ver um estranho, sem saber quem ele é ou de onde apareceu. É bem diferente de dizer: “Olá, estranho, tudo bem? Vamos ser amigos? Vamos nos ver mais vezes? Passa aqui outro dia qualquer…”

1 pensamento em “As ações da sua vida”

  1. Rodolfo,
    Muito interessante a sua abordagem. E se me permite, gostaria de incluir apenas um “SE”:
    – Certa vez trabalhei em uma empresa onde o “líder”, ao descobrir qualquer tipo de erro, fazia uma caça às bruxas. Ninguém, absolutamente ninguém, tinha coragem de assumir o erro. Os que fizeram isso no passado, foram sumariamente “executados”.
    Penso que numa situação dessas temos que pensar: posso sair da empresa agora? Se a resposta for sim, então assumo meu erro e deixa que o resto se encaminhe. Mas se não posso abrir mão de meu emprego naquele momento, posso confessar meu erro apenas para mim próprio.
    É difícil quando o ambiente criado pelo líder, ou melhor, pelo chefe, é tal que impossibilita às pessoas evoluírem. E acredite, ainda temos muitos chefes que precisam aprender a ser líderes.
    Thiago

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *