Leite com pêra, a vitamina amarga

Um texto recente do Wait, But Why? fez uma detalhada análise desta geração Y, carinhosamente apelidada no Brasil de Geração Leite com Pera, numa alusão a suas adocicadas preferências gastronômicas. Como o texto é maior do que dois page downs e eu sei que você não vai ler (mas deveria), faço algumas considerações a respeito.

Em Why Generation Y Yuppies Are Unhappy, o autor (não sei quem é porque o texto não está assinado) conta a história de Lucy, um membro desta geração e identifica a origem de seu comportamento através de sua árvore genealógica. Seus avós fizeram parte daquela que ficou conhecida como G.I. Generation (uma alusão ao temo militar G.I., que significa General Infantry, ou as patentes mais rasas das forças armadas) ou Greatest Generation. Eles viveram durante a Grande Depressão, o tenebroso período de recessão econômica espremido entre duas Guerras Mundiais e viveram momentos de choro e ranger de dentes.

Leite com pêra, a vitamina amargaOs pais de Lucy, no entanto, como baby boomers que foram, presenciaram um dos períodos de maior crescimento econômico da história. Sua geração foi batizada em referência à enorme explosão demográfica ocorrida então, consequência de tanta prosperidade.

Educados para buscar estabilidade e construir um patrimônio que sustentasse a incipiente febre consumista da época, os boomers seguiram os conselhos ao pé da letra – e foram muito bem sucedidos.

Ato contínuo, reproduziram para Lucy parte dos conselhos que receberam de seus pais: vocês têm um futuro brilhante pela frente. Infelizmente, eles foram incapazes de perceber e transmitir as profundas transformações pelas quais o mundo passou no período. O mundo cheio de oportunidades continua e continuará por muito tempo. Mas agora tem muito mais gente na briga. E tem gente séria.

Se para a Geração Baby Boom o otimismo era algo justificável, ele agora requer muito mais cautela, senso crítico e esforço, traços que os boomers parecem não ter incluído no currículo doméstico. Estes traços compõem, também, outra importante característica ausente na Geração Y: a humildade.

Pois Lucy chega à vida adulta transbordando de otimismo e recebe um mundo em que ela tem vários direitos – especialmente o de ser feliz – e pouca ou nenhuma obrigação. Isto, sabemos, é uma receita para o desastre.

O texto continua com uma interessante equação para medir a Felicidade, segundo a qual

FELICIDADE = REALIDADE – EXPECTATIVA

isto é: quando sua Realidade é melhor do que sua Expectativa, você é Feliz. Mas quando sua Realidade é pior do que sua Expectativa, o leite com pêra azeda. Aí Lucy fica tristinha e se sente injustiçada, porque acha – ou melhor, tem certeza – de que o mundo lhe deve algo.

Leite com pêra, a vitamina amarga2Membros da Geração Y têm delírios de grandeza quanto a seus futuros, embora não se considerem diretamente responsáveis por eles. Acreditam que seu sucesso e felicidade são dádivas às quais fazem jus pelo simples fato de terem nascido.

Para Paul Harvey, da Universidade de New Hampshire, “a Geração Y tem expectativas irreais e uma forte resistência em aceitar feedback negativo.” Não à toa, o título do seu artigo refere-se a uma mão de obra com mentalidade de merecimento.

Para Harvey, a infelicidade de Lucy é fruto de “um forte sentimento de merecimento, incompatível com suas reais habilidades e nível de esforço, que faz com que não tenham o respeito que imaginam ser dignos”.

Tal fato é agravado, ainda, por um fenômeno recente chamado Facebook, no qual todo mundo é feliz, bem-sucedido, viaja o tempo todo e só come iguarias exóticas – exceto quando isso é mentira, mas as pessoas publicam mesmo assim.

O artigo fecha, claro, com uma série de conselhos para Lucy que, resumidamente, dizem o seguinte: se fode aí. Pare de achar que merece sentar na janela e vai trabalhar duro uma década. Vai estudar, respeite seus pais, seja humilde. E beba água.

8 pensamentos em “Leite com pêra, a vitamina amarga”

  1. Bom dia Rodolfo, bom texto. Apenas uma observação, quando li o texto achei estranha a equação proposta para a Felicidade. Então fui para o artigo original e confirmei meu sentimento. A equação no original é: Felicidade = Realidade – Expectativa e não ao contrário.
    Parabéns pelo trabalho.

  2. Pois é. A geração ‘Y’ vive de acordo com uma meritocracia desonesta, capitalista e neoliberal. São pessoas individualistas, egoístas, que se acham muito qualificadas, mas são completamente incompetentes para serem felizes e gerar felicidade em seu entorno.

  3. Hahahah Rodolfo, foi apenas um comentário. Na verdade, só tenho que te agradecer por esse texto, eu estava procurando um exemplo para ser usado nos casos de viés de confirmação, e ele se encaixou perfeitamente.
    Ah, eu ia te sugerir isso em uma próxima conversa, você já pensou em juntar os seus 3 blogs (Não Posso Evitar, Auto Atrapalha e O Líder Acidental) em um único portal?
    Abraços.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *