Comprando obediência

Acompanhei surpreso o compartilhamento, via Facebook, de uma ferramenta que prometia a solução para todos os problemas na educação dos filhos. Trata-se de uma tabela com regras para o recebimento da mesada pelos filhos, na qual os diversos pecados diários das crianças eram listados e, cada vez que um deles era cometido, uma determinada quantia era descontada do valor a ser recebido.

A tabela da discórdia*
A tabela da discórdia*

Alguns pais mostravam-se maravilhados com a inovação pedagógica e vislumbravam ali a resposta para todas as suas aflições.

O que poucos – ou nenhum – notavam era que o imediatismo desta solução funciona como uma bomba-relógio, capaz de criar problemas muito mais sérios e duradouros do que as birras cotidianas. Senão vejamos:

Em 2000, Uri Gneezy e Aldo Rutischini fizeram um interessante estudo em uma creche em Israel: preocupados com a quantidade de pais que atrasavam na hora de buscar seus filhos, os diretores da instituição resolveram estabelecer uma multa para quem chegasse depois do prazo.

O (inesperado?) resultado foi um grosseiro tiro pela culatra: os atrasos começaram a aumentar e, em pouco tempo, chegaram a um nível que levaram o diretor a suspender a multa. A explicação dos pesquisadores era que quando você estabelece uma multa para um comportamento que antes era inaceitável passa a, de certa forma, admitir o tal comportamento. Você simplesmente pôs um valor naquilo que antes não tolerava.

Imagine, por exemplo, que seu filho ganhe R$ 100,00 de presente de aniversário da vovó. Aí ele vira-se para você e diz: “Aqui estão R$ 100,00. Vou ficar 100 dias sem ir à aula.” Como você vai reagir? Ou, ainda, que João não queira fazer seu dever de casa e pague R$ 3,00 para Maria fazê-lo em seu lugar?

Estas são apenas algumas formas que as crianças arrumariam para burlar o seu esquema de incentivos mas, certamente, eles serão criativos o suficiente para bolar muitas mais! Porque a única coisa que algo assim ensina é a evitar as punições – e não cumprir as obrigações.

Um segundo problema diz respeito à inevitável comparação que esta monetização cria, isto é: (não) ir ao balé/futebol tem a mesma importância que (faltar) ao curso de Inglês? E esquecer o dever de casa é tão mais grave do que não ir à escola?

Um terceiro aspecto importante é que você está ensinando às crianças, desde cedo, que elas só devem fazer algo se receberem uma recompensa por isso. Nas palavras de Dan Ariely, você está transformando sua casa em uma empresa:

“Eu tento mostrar o lado positivo das coisas que fazem em família, sem a necessidade de dar dinheiro para isso. Tento não dar dinheiro para lavar a louça ou levar o lixo para fora, senão vira uma simples troca financeira e sua casa se transforma numa empresa.”

Imagine, por exemplo, se as crianças resolverem valer-se do mesmo artifício, estipulando multas para as faltas dos pais. Assim:

– Não contar estória antes de dormir: R$ 1,00;
– Não assistir a apresentação de balé/campeonato de futebol: R$ 3,00;
– Não levar ao parque no domingo: R$ 1,00;
– Não ajudar no dever de casa: R$ 0,50.

Como você sairia dessa enrascada?

Sem dúvida que educar filhos é uma tarefa das mais difíceis – e digo isso mesmo sem tê-los. Como disse no início, entretanto, estes atalhos funcionam no curto prazo mas, geralmente, costumam trazer efeitos colaterais muito graves no longo prazo. Especialmente quando tratamos de questões relacionadas à Motivação, que certamente desempenharão um papel crítico na vida destes adultos.

Obediência e respeito aos pais, responsabilidade e motivação devem ser traços do caráter e da personalidade das pessoas. E não simples mercadorias.

____________________

* Esta não é, obviamente, a tabela original, mas um exemplo de como ela funciona.

À propósito: você sabe qual a melhor maneira de elogiar uma criança por uma tarefa bem feita? Assista ao vídeo abaixo e tire suas dúvidas:

63 pensamentos em “Comprando obediência”

  1. Vc ganha comissão do livro? Os crédito foram dados sim: “Em 2000, Uri Gneezy e Aldo Rutischini fizeram um interessante estudo em uma creche em Israel”, ou vc acha que só o Freaknomics publicou? E “roubar”? fala sério.

  2. Os devidos créditos foram dados, em referência ao texto original. Não aprendi isso na faculdade. Caráter a gente aprende na vida.
    Por falar em plagio, parece que um tal de Giovani Braz Moreira copiou seu comentário no Facebook. Ou você copiou o dele mas teve medinho de colocar seu nome? Ou vocês são a mesma pessoa?
    Que patético…

  3. Infelizmente o neoliberalismo chegou ao interior das residências, propondo soluções pragmáticas ‘maravilhosas’ – as idéias neoliberais sempre parecem maravilhosas, mas sempre escondem problemas muito mais graves.
    A idéia parece muito pedagógica, mas pode ser comparada a um adestramento de cães, com petiscos e choques elétricos…
    Assim, os Estados neoliberais querem criar cidadãos amestrados para a nova ordem mundial. Gente programada para ganhar ou não perder dinheiro – e só. Gente movida apenas por desejos controláveis, por ‘petiscos’ industrializados (Mc Donald’s, Coca-Cola?) ou por medo das multas (choques) – a ‘dor’ provocada pela restrição econômica…
    Os gênios neoliberais querem implantar um treinamento simulado cada vez mais precoce nas pessoas (crianças), se imiscuindo nas relações de afeto familiar, substituindo amor, respeito, deveres e direitos por simples dinheiro, como se isso pudesse substituir tudo…
    Ficaria muito mais fácil controlar uma ‘humanidade’ assim: AUTOMATIZADA. Gente que viveria apenas para ganhar dinheiro, num sistema sem amor, sem afeto. Os controladores do ‘sistema’ sabem que gente infeliz gasta mais. Vai ao mercado e compra, sem grandes complicações…

  4. KKKKK … RI MUITO COM ESSE TEXTO….. O AUTOR VIVE NA TERRA DE PETER PAN!!!!
    TENHO PRIMOS QUE FORAM CRIADOS SEM REGRAS E SEM PUNIÇÕES E HOJE SÃO COMPLETOS FRACASSADOS… NEM TUDO SE APLICA À PESQUISAS MEU QUERIDO. PRIMEIRO QUE VOCÊ FAZ COMPARAÇÕES COM UMA MENTE DE CRIANÇA….” SE OS FILHOS ESTIPULAM MULTAS PROS PAIS… DÊ ESSA AUTORIDADE PARA SEUS FILHOS E VOCÊ VERÁ O QUE ELE FARÁ COM VOCÊ…. SE TIVER FILHOS É CLARO! É ISSO AÍ CRIE SEU FILHO SEM PUNIÇÕES, SEM MULTAS, DEIXE ELE ACHAR QUE PODE FAZER TUDO E MAIS UM POUCO… DEIXE ELE ACHAR QUE PODE ESQUECER DE FAZER COISAS IMPORTANTES E NÃO TERÁ QUE ARCAR COM NADA,QUE PODE ERRAR E NÃO TERÁ CONSEQUÊNCIAS….QUANDO ELE PASSAR POR ESSA ADVERSIDADES DA VIDA QUANDO ADULTO ESTARÁ BEM PREPARADO…. VOCÊ VAI FORMAR UM GRANDE VENCEDOR! SUCESSO

    1. A questão eu acho que não é criar seus filhos sem regras,mas sim não pagar pela obediência, os pais tem o dever de encaminhar os filhos, se fazer respeitar por eles,e se pra conseguir respeito for necessário pagar por ele,automaticamente estará assinando um atestado de incapacidade de serem pais.

  5. O que seria um ‘vencedor’, uma pessoa feliz, humanamente realizada? E ‘sucesso’, seria apenas aquilo alcançado por uma pessoa rica, economicamente bem sucedida, nos padrões de consumo impostos pelo modelo neoliberal? Com esse novo modelo, não estaríamos preparando pessoas para serem apenas ‘Vencedores de Sucesso’ e não pessoas felizes, plenamente realizadas em todos os campos da vida?

  6. compartilhei esse post essa semana pq achei (e continuo achando) muito interessante. No entanto, como tudo nessa vida, utilizaria essa ferramenta com cautela. E tb veria se isso poderia estar estimulando meu filho de maneira errônea. Mas cada um tem uma “fórmula” pra melhor criar seus filhos e sempre vai ter alguém pra dar um pitaco criticando, sempre criticando, pq é o q nós brasileiros fazemos melhor. E as nossas crianças, apesar de toda essa psicologia barata que muitos apregoam, mas poucos na verdade executam com seus próprios filhos (pq isso dá trabalho… ), estão aí cada vez mais obesas, com doenças pouco comuns na infância de outrora, malcriadas e mandonas… Culpa de quem??? Ou… tem algum culpado???

  7. Em momento nenhum eu disse que se deve dar liberdade total aos filhos, Willians. Aliás, meus textos deixam isso bem claro. Até porque, crianças criadas sem limites tornam-se adultos que escrevem tudo em maiúsculas.
    Obrigado e volte sempre, Rodolfo.

  8. O importante é que sirva pra alguém, nem sempre a educação que é dada pra uns serve pra outros…Cada um é um, cada um tem uma comprieenção diferente.
    Quem mais conhece os filhos são os pais, de acordo com a lei do merecimento, cada um faça por si pra receber o que e seu!

  9. nada a ver este artigo.
    Na vida tudo é assim, se você quer avançar um sinal vermelho vai pagar uma multa, quer roubar vai preso uns anos, e etc….
    Nao é porque uma penalidade é imposta que o moleque vai querer comprar sua liberdade. Caso ocorra, penalize mais, nao so com dinheiro mas tambem com a liberdade dele, cortando TV, games e etc.
    Na minha epoca eu ficava sem poder ir brincar na rua, hoje a penalidade é eles irem brincar na rua ! rs…

  10. Boa tarde. Como tudo na vida isso é não é uma regra. Não acho ruim colocar regras com referencia a valores, mas a educação não é só isso. Saber agradecer, pedir por favor, de nada, respeitar o proximo, os animais, a natureza, isso é dever dos pais. Não é impondo valor comercial que a criança vai respeitar, mas também não é uma opçõa ruim. Citando o exemplo dos R$ 100,00 para não ir a escola, se a criança porpor isso, ela tem exemplo, do pai ou da mãe que não haje de forma correta. Se ele quiser “comprar” tudo o que não quer fazer, alguma coisa tem errada, mas não é com a mesada, e sim com a edução e exemplos dentro de casa.

  11. Não gostaram da regra do senhor Yamada? Simples! Eu tenho uma melhor:
    Não fez a lição?: 2 chineladas na bunda.
    Atrasou para a escola?: 4 chineladas.
    Ficou de recuperação sem motivo justificável?: 10 chineladas
    Etc, etc, etc…
    Assim você deixa de ser capitalista e educa com muita eficiência.
    PAREM DE FRESCURA POIS AS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PRECISAM DE LIMITES! A FALTA DE AUTORIDADE DOS PAIS DO USO DA PALAVRA “NÃO”, BEM COMO O ESTADO QUERER SE METER NA EDUCAÇÃO FAMILIAR (LEI DA PALMADA), ESTÁ CRIANDO UMA GERAÇÃO DE ADULTOS CADA VEZ MAIS INCONTROLÁVEIS E QUE NÃO DESEJA RESPEITAR AS LEIS E OS DIREITOS ALHEIOS.
    Vamos parar com a palhaçada! Nossos filhos devem fazer o que dizemos para eles fazerem! Diálogo quando for necessário e possível, mas na maioria das vezes nós falamos e eles obedecem. Eu fui criado assim e aprendi a ser uma pessoa de bem, Aliás, a maioria das pessoas criadas assim são pessoas de bem. Casos omissos colocamos na cadeia ou na FEBEM e está resolvido! E se os pais não fizerem sua parte devem ir para a cadeia também!
    Entretanto deve-se ressaltar que a cadeia deve ser uma coisa decentes e a lei tem que ser cumprida, não esta história de “prende e solta” e redução das penas que vemos atualmente. Deve-se é diminuir a maioridade penal.
    Tudo na vida só funciona com punição e diferente do que alguns pensam: PUNIÇÃO TAMBÉM É RECOMPENSA.
    Quem é punido e aprende com a punição, tem a recompensa de não desejar errar mais e se formar um adulto de bem.
    É isso aí! Bom domingo!

  12. Onde foi dito que seria a solução dos problemas na educação dos filhos, meu senhor!!! Seria muita idiotice da parte de quem entendeu dessa forma. Simplesmente uma dica, e acata e coloca em prática quem achar que é viavel.

  13. meu amigo Rodolfo em partes descordo com sua reflexão este pai esta ensinando ao filho como se portar quando adulto com certeza este filho sera um cara seguro de seu emprego e já dês de pequeno esta aprendendo que existem regras na vida e se um pai tem por si o desejo e a condição financeira de dar mesada ao seu filho não acho errado que ele venha descontar valores financeiro do mesmo com falhas no comportamento creio que aja um acordo entre pai e filho e se a um acordo sinal que a respeito entre os dois esta e minha maneira de pensar mas cada cabeça sua sentença

  14. É permitido discordar, meu amigo Daniel. O objetivo deste texto é apenas oferecer uma outra forma de enxergar Recompensas e Punições. Tem gente que concorda, tem gente que discorda.
    Um abraço, Rodolfo.

  15. Boa tarde, sempre é bom ouvir e ver modos diferentes de criação, tenho certeza que esse pai postou sua técnica porque funciona com os filhos dele e tenho certeza que não deve ser só isso. Na criação dos filhos creio eu que não existe uma regra geral, o que funciona pra um não funciona para o outro e etc… o que seria uma regra geral pra mim é amor e educação. Hoje fiquei perplexo ao ouvir no rádio sobre um pai que após sua filha ter sido “chamada atenção” (somente chamada a atenção, levou uma bronca da diretora e professora da escola) por ter brigado com uma outra coleguinha, foi até a escola e agrediu fisicamente as duas. Nos tempos de hoje com tantas coisas como esta acontecendo temos que abrir os olhos pra tudo. E em primeiro lugar pra mim eu uso o manual da vida escrito pelo criador dela a bíblia.
    aBraços , jefferson

  16. Luciano, então padre também não pode celebrar casamento, certo? Nem pode dar opinião sobre um monte de coisas que não conhece. Não pode falar sobre o que acontece depois da morte. Não pode falar sobre sexo, sobre pecado, sobre céu e inferno.
    Além disso, um virgem pode muito bem saber o que é orgasmo antes de perder a virgindade, não pode…? E pode perder a virgindade e passar a vida inteira sem saber o que é um orgasmo.
    Eu deixei bem claro a limitação da minha opinião e é isso o que importa para o leitor decidir se vale a pena levá-la em consideração ou não.
    Um abraço, Rodolfo.

  17. Na realidade, faço algo muito parecido com esse pai e tem funcionado muito bem com meus filhos há cerca de 8 anos. Seria comprar o bom comportamento se para que fizessem o que é obrigação eu pagasse. Neste caso, o que acontece é penalizar o não cumprimento das obrigações. A vida é assim. É dar a escolha e responsabilizar. É claro que o que está passível de ser escolhido é decisão minha e o peso de cada erro é proporcional ao erro. Cada família tem os valores que deseja enaltecer. A lista vai mudando de acordo com a idade, maturidade, conquistas e desafios.

  18. Tenho filhos com 26, 25 e 16 anos de idade. Sempre fiz esse tipo de tabela com eles. Resultado: hoje são responsáveis, têm suas finanças em ordem, e me agradecem por tê-los educado bem. O resto, é blablabla…

  19. Comprando obediência? Sim, e porque não?
    A vida é assim, se você atrasa os pagamentos a multa vem… e a obediência é um dever que pode perfeitamente se quantificado. Porque não? Tudo na vida pode ser quantificado. E ademais, não há como enfeitar a realidade que a vida nos apresenta. E os filhos precisam aprender desde cedo. Sempre fiz assim com meus filhos e meus netos seguem orientados pelos pais, no mesmo caminho. E está dando certo. Isto é apenas minha opinião pessoal e um depoimento. Não quero causar polêmica.

  20. Discordo do seu texto, e talvez até tenha compreendido o motivo ao ler, no final do texto, você comentar que não tem filhos. Tá certo que “Obediência e respeito aos pais, responsabilidade e motivação devem ser traços do caráter e da personalidade das pessoas”, mas ninguém nasce com isso, essas coisas se aprendem durante a infância e adolescência. E o melhor preparo para a vida é saber que existem regras, que não dá pra ficar passando a mão na cabeça, não pode faltar ao trabalho quando der na telha, etc. E caso isso não seja seguido, alguma consequência terá da vida, não do papai e da mamãe.
    Uma dica construtiva: você utilizou exemplos ruins para tentar expressar o que queria opinar. Que criança trocaria 100 reais para ficar em casa em vez de comprar algo que esteja querendo e não ganhou? Que bom pai deixaria o filho aplicar multas nele? Faça-me o favor, quem manda é o pai, não o filho.
    A essência da educação é a disciplina.

  21. Olá Rodolfo,
    Concordo com seu ponto de vista. Vejo que com o passar dos dias, as pessoas estão cada vez mais dando liberdade, responsabilidade, direito aos filhos que não são merecidos por não estarem na idade certa. Grande parte disso se dá pela mídia que incentiva seu público a “modernizar” conceitos, métodos, valores. A criança não entende de direitos, e muito menos seus deveres, para que haja um debate com a mesma. Com isso, não se pode querer levar uma discussão com uma criança. O que deve haver é uma explicação das obrigações da criança e, caso não cumpra com suas obrigações, deve haver a punição, seja nas 2 ou 3 chinelada ou com castigo. O modelo proposto de recompesas com mesadas se resume em estar negociando com o filho algo que já é obrigatório. Devemos arrumar a cama por organização e não por descontar 0,50 de seu salário. Nem tudo, ou quase nada se resume em desconto no salário. Não devemos ensinar nossos filhos a serem capitalistas selvagens. Em minha opinião, nada mais do que inversão de valores e o pior, este conceito será levado adiante. Ex.: o tiririca ser elogiado por varios em ser o deputado mais presente na Câmara, onde nada mais é do que a obrigação dele e dos demais.

  22. Juliana, discordar é permitido aqui. Na verdade é até esperado, dada a natureza das minhas opiniões. Mas isso é que é saudável: a exposição das opiniões sem que precisemos apontar uma melhor e outra pior. Cada um tem uma experiência diferente.
    E que tal a modificação da sua frase: A essência da disciplina é a educação?
    Um abraço, Rodolfo.

  23. Bom, somente pelo fato de você não ter filhos explica esse texto totalmente sem nexo. Criar, educar e ter a responsabilidade sobre uma criança é muito mais do que achar que ela simplesmente pode mandar em você (e ela não pode). Por isso, esse mundo está cheio de crianças mimadas e que se acham dona do mundo. Enfim, Rodolfo quando você tiver os seus filhos revise esse seu texto, ou nunca faça pois verá que o que escreveu só faz sentido pra quem não sabe o que é ser pai ou mãe.

  24. Juliane, pelos outros comentários e pela aceitação que este texto teve você pode perceber que ele faz muito mais sentido do que se imagina. Muita gente achou os argumentos razoáveis – e muita gente não achou. A vida é assim.
    Atenciosamente, Rodolfo.

  25. Creio que seria interessante apenas mudar os itens da tabela. Eu usaria, com ressalvas. Por exemplo, IR À ESCOLA, não poderia realmente estar ali, pois é uma obrigação, a qual eu não dou a opção ao meu filho de escolher se vai ou não. Deixaria ali somente itens que indicassem questões de educação mesmo, como esquecer roupa jogada no chão, falar palavrão, esquecer de escovar os dentes, etc…

  26. Talvez se em algum momento durante a educação do meu filho eu entenda necessário usar esse tipo de tabela eu até a use, mas com ressalvas e sem incluir determinados itens, pois como falou a colega Sheila, ir à escola não estaria dentre as possibilidades de escolha dele, ao contrário de apagar ou não as luzes. Acho que a utilização destes artifícios pode variar muito entre as famílias, afinal, a forma de educar é diferente e a forma da criança introjetar as regras impostas também irá ser muito diferente de criança para criança.
    Hoje, meu filho tem dois anos e meio e sempre guarda seus brinquedos após usá-los, guarda seus calçados assim que os tira (e as vezes guarda até os meus), desliga a tv quando termina de ver seu desenho preferido e sabe que é a sua hora de dormir. Sua rotina é bem estabelecida, e para isso não preciso bater ou comprar seu comportamento através de presentes ou “subornos”. O amor, o carinho e o tempo que eu destino à educação do meu filho é que são os fatores determinantes do comportamento dele. Não estou querendo dizer que meu filho é perfeito e que ele não faz manhãs… claro que faz, afinal ele tem pouco mais de dois anos, então dar o banho dele as vezes pode ser um pouco complicado, mas aí é que vem a paciência exigida na vida de quem escolhe ter filhos, nesses momentos, apesar do choro estridente, converso sobre a importancia daquele ato, da impossibilidade de escolha dele e assim, mesmo com lágrimas ele vai para o chuveiro. Portanto, não existem regras específicas, mas o amor e a sensibilidade para perceber as limitações de seu filho é que são determinantes na educação do mesmo.

  27. Tenho filho e concordo plenamente com tudo o que disse. Quando vi a tabela nas redes sociais imaginei imediatamente que meu filho entenderia as atitudes como aceitáveis. E, como dá ao dinheiro o valor que ele merece ter, começaria a calcular e com certeza acharia melhor fazer, ou deixar de fazer, as coisas. O exemplo dos pais, na escola, também é muito ilustrativo.

  28. Bem no ponto..!
    Minha opinião é que com ou sem planilha, isso não influencia. O que dita os valores dos filhos são os ensinamentos que os pais transmitem. Educação não é apenas uma planilha, Dan Arielly.
    Eu achei a planilha uma ótima ideia. Mas é lógico que não é uma planilha que vai dar educação a seus filhos. Infelizmente, hoje os pais buscam soluções fáceis e querem criar os filhos em piloto automático. Claro que um pai/mãe desse tipo, se pegar essa planilha e disser para o filho: “Aqui está a mesada e as regras”, não vai atingir qualquer propósito. Entretanto, um pai/mãe que se preocupa com os filhos, lhes dá regras e valores morais e ainda tira do seu tempo para pensar e bolar uma planilha assim, acho que está, SIM, preparando muito bem seus filhos.
    Como tudo na vida, tem que ter bom senso.

  29. A sua opinião é tão válida quanto a de qualquer um. Mesmo não tendo filhos, você é filho de alguém e pode falar por experiência. O fato é que nenhum pai gosta de ouvir críticas sobre o que está fazendo na criação de seus filhos. De alguma forma se sentem julgados em seu amor e devoção.
    No entanto seu artigo busca menos criticar e mais atentar para o fato de que há possíveis consequências desastrosas no uso de tal ferramenta, sobretudo se mal aplicada. Boas colocações. Pode ter incomodado alguns, mas pelo menos fez muitos pais refletirem sobre a árdua tarefa de educar.

  30. Como mãe e profissional de educação, e depois de ter lido os comentários (divididos entre os que concordam e os que não concordam), penso que não poderemos analisar a referida lista tão básicamente. Por um lado ela tenta responsabilizar as crianças e mostrar-lhes que se não cumprirmos as nossas obrigações seremos penalizados. Por outro lado ela abre uma porta para a possibilidade do não cumprimento mediante o pagamento de uma quantia. O segredo … está no equilibrio. No meu ponto de vista, deveremos responsabilizar, desde muito cedo, as crianças no que se refere às suas obrigações, caso contrário terão uma penalização que não deverá envolver dinheiro, mas sim algo que eles gostem (tv, videogames,aniversário de algum amigo, etc, etc). O NÂO deverá estar presente sempre que necessário. Dá muito trabalho educar … mas se queremos, amanhã, adultos conscienciosos, temos que educar as crianças de hoje.

  31. Plenamente de acordo consigo …bom senso, é indispensável na forma como educamos! Assim como os exemplos dos pais faz, com toda a certeza, milagres! Lá diz o velho ditado “Somos um pouco de quem nos rodeia”.

  32. Concordo com a Inês. Tudo deve estar no equilíbrio. Mas não tratar os nossos assuntos e como cada um “tenta educar” seus filhos. As regras para uns podem não ser boas para os outros, mas não trazer também logo coisas de outros países, ainda mais Israel, cuja cultura em nada se parece com a nossa. É sabido que o brasileiro começa a pensar quando o bolso é atingido. Qualquer um de nós se controla quando sente que o bolso começa a ser penalisado. Vale o bom senso de cada um. Pais tem a obrigação moral de educar seus filhos e cada um tem o seu jeito, desde que “NÃO” seja pela opressão, discriminação ou outros meios escusos.

  33. Sim,cada um tem seu jeito…desde que esse jeito não transforme crianças em monstros no futuro,seja da forma que for.O que vemos na sociedade moderna?A violência descabida,o consumismo desenfreado,falta de educação,de bom senso,de disciplina,honra,dignidade e por aí vai.E pergunto:PORQUE?E eu mesma respondo:por pura incompetência de pais que não sabem que educar um filho é uma arte,um dom,pois ficam totalmente perdidos quando botam os filhos no mundo e nessa confusão,sobra pra sociedade aturar crianças,adolescentes e adultos despreparados para conviver nela.E a culpa é quem mesmo?Claro que todos têm livre arbítrio e escolhem seus próprios caminhos,sejam certos ou errados,porém quando se tem uma educação exemplar na infância,a escolha pelo caminho errado se torna mais rara.

  34. Não pude deixar de dar a minha opinião… o instrumento de controle da mesada é simbólico… a educação é embasada nas palavras que Cristo nos deixou, ser honesto, amar o próximo e respeitar seus pais… essa forma pode ser definida como educação fiscal e financeira… aprender desde cedo como lidar com o seu próprio dinheiro, ou deixamos para a vida ensinar? chega a ser divertido… tudo é questão de diálogo, até mesmo com os pequenos… Amados, Deus os abençoe… amem seus filhos e os façam pessoas dignas…

  35. Eu não acho que uma pessoa que não tem filhos tem conhecimento de como educar um filho, so quem tem sabe, isso não se aprende em escolas ou livros de psicologia.. E claro que se esse pai fez uma tabela, isso foi conversado!!! pior são esses que hj é o que mais acontece…qdo o filho diz, se vc não me der isso eu não faço isso, e o pai acaba cedendo!!!E o que os filhos se tornam, pessoas manipuladoras, sem regras..
    Então Ronaldo , qdo vc tiver seus filhos, volte a opinar…

  36. Já falei sobre isso, Alice. Diga aos padres, então, para pararem de rezar missa, porque eles falam sobre um monte de coisas que não entendem. Inclusive sobre Céu e Inferno, vida após a morte, casamento etc.
    E quem é Ronaldo?
    Atenciosamente, Rodolfo.

  37. Exatamente o que penso. Não quero um filho comprável, obediência não é mercadoria, é formação de caráter e o caráter da minha criança não está a venda.
    Seguindo o pensamento de Alice eu posso falar, visto que sou mãe… Estão, concordo em gênero, número e grau com o Rodolfo.

  38. Concordo plenamente com o artigo … As atitudes dos meus filhos não tem preço, sendo elas certas ou erradas … elas têm sim VALOR !!! É muito diferente !!! O que é correto deve ser valorizado e incentivado, com comentários, elogios, conversas ; o que está errado deve ser corrigido , com conversas , explicações, punições se necessário ..e Exemplos !!! Sempre !!! Essas crianças educadas através de planilhas crescem acreditando que tudo na vida (até comportamento) pode ser comprado e negociado … Imagine que adultos serão !!! Na tabela original desconta-se da criança ” ir pra cama dos pais de madrugada ” … que horror !!! Quer dizer que se a criança tiver um pesadelo , um medo que seja , ela não pode recorrer ao seu porto seguro que são seus pais ??? Me desculpem os que são a favor, mas achei essa tabela terrível !!! Ah , sou mãe de um casal (antes que me julguem achando que não tenho filhos) .

  39. Não creio que seja comprar a obediência, mas ensinar que cada ação errada tem uma consequência. Quando você falta no trabalho em justificativa, a empresa desconta o dia, mais o fim de semana remunerado, mais algum benefício. É claro que pode existir a possibilidade de algum dia este funcionário resolver faltar, mesmo sabendo que vai haver descontos, neste caso, se ele faltar por muito tempo o que lhe acontece? Ele é demitido. É obvio que ninguém vai colocar um filho na rua por não ir à escola, mas, se ele entender que pode pagar por faltar, vai repetir o ano todo, vai perder muito mais do que o valor. Nenhum pai quer que seu filho repita de ano, porém, as vezes as crianças querem aprender a duras penas, e eu não acho que isso seja ruim para elas, lógico que estaremos aqui para direcioná-los no caminho correto e não para ficar assistindo seus fracassos, mas em certos casos, depois de muitos avisos e direcionamentos, se a criança não quer fazer o correto, é saudável sim que coloque o dedinho na tomada e veja que ela realmente da choque. Na minha opinião, o primeiro, o segundo e o terceiro passo do pai é ensinar, mas se o filho não quer aprender com o pai, deve aprender por si mesmo. Não importa a idade, cada idade tem os seus problemas a serem resolvidos.

  40. Olá Mariana, obrigado pelo seu comentário.
    Seu raciocínio tem fundamento mas deixa de considerar um ponto importante: você está comparando a capacidade cognitiva de uma criança a de um adulto. Crianças não têm um senso de planejamento tão apurado e dificilmente conseguem levar em consideração um cenário de 20 anos na frente na hora de decidir entre estudar Matemática e jogar videogame.
    Um abraço, Rodolfo.

  41. Raciocínio simplista. Pensando assim, vamos extinguir o código penal, já que punir acaba por colocar um preço e torna algo inaceitável aceitável. Achei sim uma boa estratégia se for associado a conversa.

  42. A idéia é otima e eu vou até mais longe um pouco, para minha filha de 10 anos aumento o valor da mesada e dou a responsabilidade de pagar alguma conta com intuito de desenvolver a respontabilidade de ter o dinheiro e ter que pagar a conta.
    Em fim desenvolver habilidades financeiras de planejamento e controle de consumo.

  43. ai, chato pra carai…
    ou seja, a solução é não fazer nada.
    deve ser petista: não sabe como resolver mas a solução do outro é ruim.
    farô.
    vamos lá: excesso de regras enche o saco, mas regras definidas RESOLVEM qualquer dúvida e, tb, O MUNDO É MONETARIZADO, quanto mais cedo a criança entender isso, melhor. o cara tá dando MESADA, não instruindo a sabedoria, e como a mesada é em grana, ele dita a regra de como receber. justíssimo.

  44. Prezado Giovani, meu blog acolhe muito bem as opiniões de terceiros, mesmo quando são contrárias às minhas. Não me importo com isso e acho que enriquece a discussão. A única coisa que não admito é a grosseria. Vinda de outro blogueiro, então, considero uma deselegância desnecessária.
    Se você desse uma olhada no meu blog veria que sua sugestão de que eu sou petista, além de equivocada em sua essência é infantil em sua sustentação. Assim como dizer-se anarquista que, em última instância, é criticar a solução do outro sem propôr uma alternativa.
    E, no mundo cheio de regras, que você prega e incentiva, como é que você ensina gramática ao João Carlos, mesmo? Vai descontar um Real dele cada vez que disser “cabeu”?
    Um abraço, Rodolfo.

  45. Esta ideia e ótima. Li primeiramente esta matéria em um site que super elogiou o método aplicado.
    Países como Cingapura que estão vencendo a corrupcao mais que outros países, oferecem desde cedo a educação financeira aos pequeninos.
    Esta ideia de pegar R$100,00 e pagar ao pai dizendo que não vou a escola por 100 dias só podia mesmo vir da cabeca de um adulto maquiavélico. Logo viste que foi uma criança tal educação contínua.
    O método esta certo. Apoio e é claro que não para por ai.
    Podemos também ensinar a criança um menino a dar flores a menina que ele gosta aprendendo a não ser um adulto vulgar que a vê como objeto de sexo. Pois sua penalidade quando adulto sera por varias vezes dormir no sofá, rs.
    Assim como remédio que cura o problema inicial e se aplicar o mesmo por muito tempo ira criar outro. Esta educação financeira proposta é ótima onde depois de certa idade vem outros aplicações para continuidade ao caráter desta criança. Evitando problemas futuros que o autor deste blog apresentou de forma que eliminaria o valor deste método apresentado para aplicação ate determinatada idade.
    Só faltou o critico do blog apresentar sua sugestão onde se for < => não importa, sugestões são sempre bem vindas.

  46. O que me incomoda é esta mania de não testar, não ousar, ficar preso a conceitos antigos que na maioria das vezes não funciona, vejamos o caso da justiça em nosso país, fale em pena de morte para bandidos cruéis e na hora aparecerão um monte de hipócritas apontando milhares de motivos para serem contra, pergunte a eles se tem algum projeto que funcione e que acabe de vez com a violência, claro que não tem né, eles amam mesmo é depois de algum crime hediondo colocar sua camiseta branca e ir para alguma passeata, como se isso resolvesse alguma coisa, em passeata pela paz só vão pessoas boas, no que tange a esta planilha, porque não tentar? o mundo esta mudando rápido, as coisa, a mentalidade tem e deve mudar na mesma velocidade.

  47. Olá Paulo, obrigado pelo seu comentário.
    “(…) mania de não testar, não ousar, ficar preso a conceitos antigos que na maioria das vezes não funciona (…)”
    Imagino que você esteja se referindo à mania de achar que tudo pode ser resolvido através do dinheiro, certo?
    Um abraço, Rodolfo.

  48. Como mãe de um garoto de 13 anos, eu infelizmente discordo do artigo, comecei a aplicar o método em casa há algum tempo e tem dado muito certo. Acho que reforça a questão da responsabilidade na criança e/ou adolescente, além de desenvolver a habilidade financeira. E também não preciso mais ficar chamando a atenção o tempo todo para que meu filho faça as suas obrigações.

  49. Bem nesse discurso eu discordo em parte, e concordo em parte… Na minha opinião vai depender do comportamento de cada criança…. Cada criança vai reagir a uma forma de educar de um jeito diferente.. Se isso funciona no caso dele não vejo efeito negativo.. a não ser se apenas esse metodo for usado e ponto final..ou seja se a interação da familia se resume apenas a isso.
    O que eu percebo em uma estratégia dessa de colocar valores é estar ensinando os efeitos de causa/consequencia…. e acho válido… O Adulto não paga multa se atrasar uma conta? não é descontado se faltar ao trabalho? O estudante não é reprovado se faltar à prova?
    Mostrar o lado positivo das coisas e importante, mas só tem efeito se a percepção da criança acompanha esse raciocínio…se não vc ve ela com aquela cara de que não entendeu nada e quando vc pergunta se entendeu vai falar que sim…. mas no fundo sabe que nao assimilou a ideia.. Vamos combinar aqui e quem é pai e mãe sabe do que to falando, afinal todo pai e mãe já foi criança um dia. Nenhuma criança obedece ou deixa de fazer algo que sabe ser errado por amor aos pais ou por moral… é pela punição.. seja qual for (castigo, cortar a mesada ou a sobremesa, nao brincar etc)…pode perguntar pra qq criança porque não se deve bater no colega ou faltar a aula…. ela vai dizer q é pela punição.. ou pq mamae briga… ou pq bota de catigo… só depois com mais esclarecimento ela vai entender esses valores…
    Agora é importante participar disso.. da infancia da crianca…conversar..brincar junto.. passear…se nao fizer o dever junto perguntar se fez e como foi o dia…. sempre pedir pra melhorar…e mostrar o caminho…seja nos estudos ou nas atividades..mostrar que ele pode, que é capaz de conseguir.. mas q depende dele e que não deve desistir… ter um ambiente familiar saudavel.. ser o exemplo mesmo q cometa erros… Voce não pode apenas punir pra educar… mas por outro lado a punição faz parte de toda educação e toda pessoa de bem…. eu friso bem toda e não estou sendo leviano nisso … toda pessoa de bem já fez algo de muito errado na infancia…ciente de que era errado pois foi educada.. e foi punida pelos pais….de alguma forma… e não voltaram a cometer esses mesmos erros e hoje estão passando o aprendizado pros seus filhos…
    E assim que penso..

  50. Eu acho que quem elaborou essa planilha o fez na tentativa desesperada de comprar um respeito que, como pai, não conseguiu impor ao longo tempo. Sempre explico para minha filha o motivo de minhas decisões e, por mais que ela não entenda certas coisas agora, ela obedece, as vezes depois de muito relutar. Educar dá trabalho e requer um exercício diário. O dinheiro não pode ser visto como a melhor recompensa por um “bom comportamento”.

  51. O método é até interessante, desde que não seja usado com a intenção de transformar a criança em um “robô perfeito para servir aos pais”. Fico imaginando uma criança, que tem apenas nessa fase da vida a oportunidade de experimentar uma certa felicidade, ter que cumprir uma lista de obrigações para satisfazer os pais. As criança tem sua individualidade e personalidade que precisa ser respeitada até certo limite obviamente. Ou seja, se cada ato de desobediência tem o seu valor, ela não estaria errada se escolhesse receber a multa para não fazer uma tarefa que ela não gosta. Então tudo depende da finalidade. O método pode ser bom, como pode ser péssimo. Tudo vai depender da finalidade e da intenção que é aplicado.

  52. Bom dia Dione,
    Discordo de sua analise.
    Não vejo como tentativa desesperada. Nem vejo como “comprar” obediência como dito no artigo, e o pior, se um filho monta uma planinha para os pais, não vejo uma enrascada, vejo inversão de valores e deve-se mostrar para a criança seus erros e como diminui-los.
    Acho que é uma simples forma de mostrar enquanto criança que tudo na vida requer responsabilidades, requer uma troca.
    Neste caso é uma troca financeira pelo desconto.
    Note que a criança não esta sendo paga para fazer … e sim sendo cobrada por não fazer.
    O que vai gerar no final um costume de coisas cotidianas, que sabemos não são cumpridas nem pelos adultos, exatamente por uma falta de cobrar, pois as vezes cansamos de pedir.
    No mundo adulto real, você trabalha e ganha seu salario. Se você falta é descontado. No transito você dirige de forma defensiva, se comete erros você recebe uma multa. No clube se fizer algo errado, tem suspensões, e assim vai , bla bla bla.
    Acho que de uma forma sutil, até a criança esta sendo preparada, para saber que lá na frente, seus erros ou falhas serão cobradas (algumas monetariamente) de uma forma ou de outra.
    Bom mais é isso , respeito sua analise, apenas não concordo.

  53. Sim … tipo ela ser responsável por colocar os créditos no celular, se não o fizer … fica sem uso.
    Te garanto que aprende rapidinho a administração financeira.
    Meu pai, quando em férias , dava a cada um uma quantidade X, para usar nas férias. Para comprar aquele sorvete , refri, etc. Era pouco, mais usávamos com cuidado pra termos $$ ate o ultimo dia. E quando sobrava era uma alegria o ultimo dia.

  54. Está certo sim e muito o Sr. Rodolfo Araújo em sua análise. Eu e meus irmãos fomos criados sem essas regras e sem receber mesada. Como toda criança cometíamos erros sim mas meus pais corrigiam com o que há de melhor por muitos séculos ” A vara da disciplina” e muito amor. O resultado? Eu e meus irmãos somos cidadãos de bem que cumpre com nossas obrigações para Deus, familiares e a sociedade. Parabéns pela sua coragem em dar sua opinião.

  55. Também parabenizo você, Rodolfo, pela coragem em emitir sua opinião em um assunto bastante polêmico, e mais, onde grassa a ignorância quando o pessoal não acata a opinião alheia.
    Tenho 3 filhos e também não gosto que me como educá-los, é algo muito particular de cada família, mas não acredito que tenha sido este caso aqui.
    Nos dias de hoje, contribuições, debates e discussões deveriam ser saudáveis e construtivas, e deve ser permitido concordar e discordar. Gostaria que algumas pessoas aqui pensassem sobre isso, correndo o risco, ao falar desta forma, de ser alvejada pelos ataques novamente.

    Abraços, vamos construir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *