Day after

Bom, de acordo com o meu último post – que também é o primeiro – se você voltou aqui há uma grande chance de você não ter gostado do meu texto. Voltou só de raiva. Raiva de você, não de mim.

Então parabéns! Você é um das 26 pessoas que acessaram – mas não necessariamente leram – o meu blog. Isso quer dizer que, no primeiro dia de vida, ele teve o dobro de leitores do Agamenon, que escreve n’O GLOBO. E, nesse ritmo, a ABL parece-me um caminho natural.

Essa fama toda – que para vocês pode parecer repentina – já rendeu aproximadamente 1 comentário. Tudo bem que foi da minha mãe, mas a gente tem que começar.

Isso de blog é um troço complicado pra burro.

 

aurelioMas, como pra burro eu não sirvo, estou tentando aprender. A duras penas! Mas faço isso para vocês, meus queridos (26) leitores. O layout ainda tá meio tosco, básico, e sem muitas emoções. Pouco a ver comigo, lógico. (Essa figura ficou meio forçada, mas eu acho engraçado à beça! Vejam outras em www.desencannes.com.br)

Acabou de tocar o telefone e vou ter que deixar esse post pela metade. Um amigo chamou para ir comer uma feijoada (aqui tá um frio glacial – para um carioca). Isso vai acontecer de vez em quando, mas é o preço da fama. Preço que vocês pagam, porque o famoso sou eu.

Minha amiga Dani acabou de entrar aqui no MSN. Aliás, devo um agradecimento a ela, pois foi a grande incentivadora para eu criar um blog. Pensando bem, vocês devem um agradecimento a ela…

Bom, depois eu retoco isso aqui então…

Gênese

Bom, começou.

Segurei o quanto deu, tentei evitar enquanto pude, resisti até agora. Mas tal qual o dito latino, não há como negar sua natureza (Naturam expellas furca, tamen usque recurret). Sempre gostei de escrever. Trago isso desde muito cedo, criança ainda. Minha vontade talvez venha da minha admiração pelo que estava escrito – e esta, possivelmente, da minha curiosidade indomável.

Sempre observei os adultos lendo, estudando, envoltos em livros, cadernos e papéis. Devia ter uns quatro ou cinco anos quando me divertia folheando enciclopédias. Tive a sorte de crescer numa família com gosto pela leitura e pela música. Livros e jornais à vontade, sempre com algo de MPB ao fundo.

Do ambiente montessoriano de minha educação pré-escolar no Constructor Sui, à liberdade (nem sempre tão) responsável do São Vicente de Paulo, tudo parece ter conspirado para moldar mente e espírito sempre em busca do novo.

Do curioso fez-se o criativo que, para resumir essa história (afinal isso não é uma auto-biografia), tem um monte de coisas para contar. A dúvida sempre foi se haveria alguém disposto a ouvir. Ou ler. Só que recentemente escrevi algumas coisas que publiquei no site da minha empresa (www.adrenax.com) e, para minha surpresa, um monte de gente conhecida leu e gostou. (ATENÇÃO: essa questão da "surpresa" é o máximo de humildade que vocês verão por aqui.)

Então a partir de hoje eu tomo a liberdade de escrever esse blog. De início não terei um tema específico. Gosto de mulher, dinheiro, futebol (Flamengo), comida/cozinha, jazz, livros, xadrez, cinema, negócios, piadas, viagens.

Tenho um senso de humor bastante peculiar impregnado no meu DNA. Normalmente você ama ou odeia. Os que amam talvez leiam meus posts. Os que odeiam certamente lerão. Duas vezes. Bem feito pra eles.

Fiquem à vontade para sugerir assuntos, porque eu me sentirei à vontade para escrever sobre outras coisas. Critiquem à vontade, porque eu sempre posso deletar. Já os elogios eu talvez não edite. Isso soou meio grosseiro, mas é a minha cara…